As marcas de oito anos de resgates na Grécia

14 cortes nas pensões, quatro governos derrubados e 20% de desemprego no país que volta aos mercados a 20 de agosto depois de o Eurogrupo ter chegado a acordo, esta sexta-feira, no Luxemburgo

Tempos houve em que a Grécia era o grande problema da União Europeia. Nas ruas do país tornaram-se habituais as situações de confronto entre manifestantes anarquistas e antiausteridade e polícia de choque. Uns atiravam cocktail Molotov. Outros granadas de gás lacrimogéneo.

Ameaçando fazer ruir o euro, os gregos irritavam em tudo e a todos. Na memória ficaram os duros enfrentamentos entre os ex-ministros das Finanças grego, alemão e holandês, respetivamente, Yanis Varoufakis, Wolfgang Schäuble e Jeroen Dijsselbloem. E as filas de reformados desesperados a tentar levantar as pensões à porta dos bancos durante o controlo de capitais.

Ninguém queria ouvir falar de perdão ou alívio da dívida grega. Agora, três resgates depois, o país governado por Alexis Tsipras prepara-se para sair do programa de assistência internacional e voltar aos mercados a 20 de agosto. O acordo, apelidado de histórico, foi selado na reunião do Eurogrupo desta sexta-feira no Luxemburgo.

"A crise grega termina aqui", disse o comissário europeu dos Assuntos Económicos e Financeiros, Pierre Moscovici. "Conseguimos assegurar uma aterragem suave após ajustamento longo e difícil", afirmou, por seu lado, o presidente do Eurogrupo e ministro das Finanças português Mário Centeno.

Apontando que a análise da dívida grega - de 178% do PIB - demonstrou que eram necessárias medidas adicionais de alívio da dívida para garantir a sua sustentabilidade no futuro, Centeno disse que foi adotado um pacote, que prevê, entre outras medidas, o prolongamento por 10 anos do prazo de pagamento do empréstimo concedido pelo Fundo Europeu de Estabilização Financeira.

"Este acordo é também uma dívida moral dos europeus para com o povo grego que sofreu por oito anos", sublinhou, por seu lado, Tsipras - o político do Syriza que chegou ao poder com a promessa de expulsar a troika e sair do euro e acabou a pedir um terceiro resgate.

Declarada apta para regressar aos mercados internacionais, a Grécia apresenta marcas profundas de oito anos de resgates. Ao longo deste tempo a austeridade provocou uma queda de 25% na economia grega e o desemprego ainda se situa acima dos 20%, tendo levado muitos jovens a imigrar e a procurar melhores condições de vida no estrangeiro. Desde o início da crise financeira, 250 mil licenciados deixaram o país, segundo dados do Centro Nacional de Documentação (EKT). O pico situou-se nos anos 2012 e 2013.

A juntar a isto é preciso lembrar que os pensionistas viram 14 vezes as suas pensões cortadas e, segundo dados do Eurostat de 2017, 35,5% da população grega, ou seja, um em cada três cidadãos gregos, vive na pobreza e em situação de exclusão social. Muitos deixaram de ter dinheiro para pagar sequer a conta da electricidade e conseguir comida é a prioridade. A crise, que também contribuiu para destapar práticas de corrupção que existiam pelo país, também levou à queda de quatro governos.

A Grécia viu-se também envolvida numa tempestade perfeita: a juntar à austeridade a chegada em massa de migrantes ilegais que procuravam seguir a chamada rota dos Balcãs. Só em 2016 foram mais de 60 mil. Hoje a crise migratória espalhou-se e, com a recusa de governos populistas em ajudar migrantes e refugiados, como por exemplo o de Itália, a situação agravou-se e o tema está na ordem do dia dos líderes europeus. Estará no centro do debate no Conselho Europeu dos próximos dias 28 e 29. Se somarmos a isto, a questão do brexit, não é difícil constatar que hoje a Grécia já não é, de facto, o maior problema da UE.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.