Governo britânico aprova acordo do Brexit

"As alternativas são sairmos sem acordo ou sem brexit", diz Theresa May. Mais de cinco horas depois de uma "apaixonada discussão" com os membros do governo, Theresa May anuncia acordo.

"A escolha foi que voltamos a ter o controlo do nosso país ou falharmos", disse a primeira-ministra do Reino Unido na curta declaração sobre o acordo desenhado com os seus ministros à porta do número 10 de Downing Street. "A decisão coletiva do gabinete foi a de que o governo deve concordar com o esboço do acordo de retirada e com a declaração política", disse May

Desta vez, no entanto, May foi mais longe nos cenários: "As alternativas [ao acordo] são sairmos sem acordo ou sem brexit".

Ainda nesta noite Theresa May recebe Arlene Foster, a líder do partido unionista da Irlanda do Norte (DUP), que se tem mostrado inflexível quanto à possibilidade de haver um estatuto diferente para a Irlanda do Norte e o resto do Reino Unido. O DUP tem sido um aliado dos conservadores.

May informou que amanhã vai prestar informações ao Parlamento.

Na Câmara dos Comuns, May vai enfrentar a ira de todos os campos: dos conservadores da linha dura, que não admitem que o acordo preveja a continuação da união aduaneira, ainda que temporária, dos trabalhistas (quer os europeístas, quer os eurocéticos como o líder Jeremy Corbyn), e do maior partido da Escócia, o SNP.

A primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, já fez saber a sua irritação pelo facto de não ter sido ouvida e afirma que o seu país devia ter o mesmo tratamento que a Irlanda do Norte.

A reunião do governo, que começou às 14.00, foi considerada o "momento da verdade" pelo Financial Times.

Lá fora, dezenas de manifestantes pró-brexit reuniram-se em frente a Downing Street para exigir a rejeição do acordo. "Viemos protestar contra o acordo alcançado por Theresa May", disse à AFP Lucy Harris, fundadora do grupo Leavers of London. "Estamos numa encruzilhada, a situação é preocupante: se o acordo for aprovado, teremos problemas em permanecer um país independente".

Na noite anterior Theresa May recebeu cada um dos ministros individualmente para tentar garantir o apoio de todos. A adesão do governo ao projeto de acordo é essencial para permitir a organização de uma cimeira extraordinária de líderes europeus para validar o acordo de saída do Reino Unido da União Europeia.

Demissões e liderança em suspenso

Não se sabe se deste braço-de-ferro de Theresa May com os membros do seu governo sairão mais baixas, como os media britânicos especulavam.

A liderança de Theresa May pode estar nas últimas horas. Esse é pelo menos a vontade de alguns deputados conservadores, anunciou a jornalista da BBC Laura Kuenssberg no Twitter.

Ou seja, segundo as fontes da jornalista britânica, os brexiteers irão pedir uma moção de censura à chefia de Theresa May.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.