Artur Mas quer novas eleições. Não da CUP leva a demissão de líder

Aliado do presidente da Generalitat está dar-lhe o apoio explícito, preferindo apelar a entendimento para evitar ida às urnas

O primeiro sinal de que haverá em breve novas eleições autonómicas na Catalunha foi dado no domingo, quando a CUP votou contra o apoio à tomada de posse de Artur Mas como presidente da Generalitat. Uma decisão que já levou à demissão do líder parlamentar da formação anticapitalista e independentista. Ontem foi o próprio líder do governo catalão a dissipar as dúvidas que ainda restavam sobre uma ida às urnas.

"Tenho vontade de fazer frente a Madrid e às forças daqui que não nos têm facilitado a vida", garantiu ontem o presidente em funções da Generalitat, antes de entrar para uma reunião da direção da Convergência Democrática da Catalunha, o partido que lidera e que fez parte da Junts Pel Sí, a coligação independentista que, com a CUP, compõe a maioria do parlamento da Catalunha desde as eleições de 27 de setembro.

No final desta reunião, a Convergência acusou a CUP de querer pôr fim ao processo independentista e reafirmou o seu apoio a Artur Mas, apesar do seu nome ser o único entrave à entrada em funções do novo executivo da Catalunha. "Não vamos desistir da nossa intenção de eleger Artur Mas. A bola, depois das negociações, continua do lado da CUP, e se isso não acontecer ficará do lado dos cidadãos da Catalunha", declarou ontem o coordenador do partido, Josep Rull.

Na opinião deste responsável, a Convergência negociou de "forma séria e honesta" durante meses com a CUP e que sempre afirmou que o seu candidato seria Artur Mas e não outro. "Quando isto acontece, quem ganha é Madrid", prosseguiu, adiantando que, em caso de novas eleições, pretendem repetir o Junts Pel Sí, que, além da Convergência, engloba outros movimentos independentistas como a Esquerda Republicana da Catalunha (ERC).

Com o prazo para nomear um novo chefe do governo catalão só a terminar no domingo, a ERC veio ontem dizer que ainda há tempo para evitar novas eleições. O líder do partido não deu ainda sinais de querer abandonar o Junts Pel Sí ou de apoio explícito a Artur Mas. Oriol Junqueras preferiu ontem apelar a que Convergência e CUP voltem às negociações de forma a "respeitar" os resultados das eleições de 27 de setembro e evitar uma nova ida às urnas, que poderão ter lugar entre finais de fevereiro e 6 de março.

Motivos políticos

Depois de no domingo os militantes da CUP terem rejeitado apoiar a tomada de posse de Artur Mas como presidente do governo da Catalunha, ontem confirmou-se o que já era esperado: Antonio Baños, o líder parlamentar do partido e que era a favor de um entendimento entre as duas forças, anunciou que iria renunciar ao seu cargo de deputado no parlamento regional.

"Esta decisão obedece a motivos estritamente políticos. Saio porque me sinto incapaz de defender a postura adotada maioritariamente. Uma postura política discrepante com as ideias e objetivos pelos quais decidi apresentar-me como candidato às eleições do passado dia 27 de setembro", explicou Baños numa carta enviada aos militantes.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.