Armada russa reforça-se com 26 navios só neste ano

A Rússia vai reforçar a sua armada neste ano com 26 novos navios, o equivalente em número aos meios da Marinha portuguesa. O anúncio foi feito pelo presidente russo, Vladimir Putin, durante as comemorações do dia da Marinha.

"No total em 2018, a Marinha vai ter 26 novos navios de guerra e lanchas, incluindo quatro equipados com mísseis Kalibr", disse Putin, citado pela agência Interfax,

A presidir às comemorações do dia da Marinha em São Petersburgo, a sua cidade natal, Putin disse que a frota russa já recebeu quatro navios de superfície, um navio anti-sabotagem e de patrulha e três navios de abastecimento neste ano.

Os mísseis Kalibr, com um alcance de 1.900 km, equivalente ao americano Tomahawk e capaz de derrotar as defesas em altitudes muito baixas, têm sido usados ​​pelas forças russas para atacar alvos na Síria, através de navios localizados no Mediterrâneo.

Vladimir Putin participou num grande desfile de navios militares nas águas do Neva, em São Petersburgo, no qual que participaram 39 unidades da Marinha.

"Continuaremos a tomar medidas para fortalecer e desenvolver a nossa marinha e a melhorar os seus equipamentos", afirmou.

O dia da Marinha também foi comemorado na Crimeia. Na península anexada por Moscovo, o comandante da frota russa do Mar Negro, sediada em Sebastopol, disse que as suas forças serão reforçadas por seis novos navios até ao final do ano.

Mais de 30 navios participaram no desfile, na presença do primeiro-ministro Dmitri Medvedev.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.