Arcebispo de Caracas pede paciência e esperança à comunidade portuguesa

Ministro dos Negócios Estrangeiros, que está de visita à Venezuela, encontrou-se este domingo com o arcebpispo, o cardeal Jorge Urosa Savino

O arcebispo de Caracas, cardeal Jorge Urosa Savino, recomendou hoje à comunidade portuguesa na Venezuela que seja paciente, que mantenha esperança e que defenda os seus direitos perante a crise política e económica que afeta o país.

"Temos que ter paciência, procurar defender os nossos direitos, tratar de manter a esperança, especialmente no sentido religioso", disse.

Jorge Urosa Savino falava à Agência Lusa, em Caracas, à margem de um encontro com o ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, Augusto Santos Silva, no âmbito de uma visita de quatro dias do chefe da diplomacia portuguesa à Venezuela.

"A nossa esperança está baseada em Deus e às vezes passamos por noites escuras e vales tenebrosos, mas o importante é que sabemos que Deus está connosco. Continuemos com alegria, com força, procurando sempre o Bem, tratando sempre de manter a união da família e participando nas atividades da Igreja nesta pátria", defendeu o arcebispo.

O cardeal recordou que Nossa Senhora de Fátima é uma "expressão muito bela da fé católica do povo português".

"Nossa Senhora de Fátima é precisamente uma manifestação do amor de Deus ao povo de Portugal e que graças a Deus foi recebida com imensa devoção de parte dos católicos portugueses, é um exemplo que os portugueses dão aos venezuelanos", frisou.

Quanto à visita do MNE, explicou que "foi muito grato" recebê-lo na sua casa e que tratou-se de uma "visita de boa vontade" de um ministro.

"Ele quis, cortesmente, saudar o arcebispo de Caracas, manifestando assim interesse pelo país, pela Igreja, pelas atividades da comunidade portuguesa e pela marcha da Venezuela".

O religioso aproveitou o encontro para manifestar ao ministro português "a alegria pelo lindo trabalho que realizam os portugueses na Venezuela e especialmente pela participação dos católicos portugueses na vida da Igreja" local.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).