Arcebispo de Caracas pede paciência e esperança à comunidade portuguesa

Ministro dos Negócios Estrangeiros, que está de visita à Venezuela, encontrou-se este domingo com o arcebpispo, o cardeal Jorge Urosa Savino

O arcebispo de Caracas, cardeal Jorge Urosa Savino, recomendou hoje à comunidade portuguesa na Venezuela que seja paciente, que mantenha esperança e que defenda os seus direitos perante a crise política e económica que afeta o país.

"Temos que ter paciência, procurar defender os nossos direitos, tratar de manter a esperança, especialmente no sentido religioso", disse.

Jorge Urosa Savino falava à Agência Lusa, em Caracas, à margem de um encontro com o ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, Augusto Santos Silva, no âmbito de uma visita de quatro dias do chefe da diplomacia portuguesa à Venezuela.

"A nossa esperança está baseada em Deus e às vezes passamos por noites escuras e vales tenebrosos, mas o importante é que sabemos que Deus está connosco. Continuemos com alegria, com força, procurando sempre o Bem, tratando sempre de manter a união da família e participando nas atividades da Igreja nesta pátria", defendeu o arcebispo.

O cardeal recordou que Nossa Senhora de Fátima é uma "expressão muito bela da fé católica do povo português".

"Nossa Senhora de Fátima é precisamente uma manifestação do amor de Deus ao povo de Portugal e que graças a Deus foi recebida com imensa devoção de parte dos católicos portugueses, é um exemplo que os portugueses dão aos venezuelanos", frisou.

Quanto à visita do MNE, explicou que "foi muito grato" recebê-lo na sua casa e que tratou-se de uma "visita de boa vontade" de um ministro.

"Ele quis, cortesmente, saudar o arcebispo de Caracas, manifestando assim interesse pelo país, pela Igreja, pelas atividades da comunidade portuguesa e pela marcha da Venezuela".

O religioso aproveitou o encontro para manifestar ao ministro português "a alegria pelo lindo trabalho que realizam os portugueses na Venezuela e especialmente pela participação dos católicos portugueses na vida da Igreja" local.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.