Arábia Saudita abre portas a diplomata iraniano

Sinal de apaziguamento entre as duas potências rivais do Médio Oriente. As relações entre Riade e Teerão foram cortadas em 2016.

A Arábia Saudita vai admitir um diplomata iraniano para chefiar um escritório que representa os interesses iranianos no reino, avançou neste domingo a agência de notícias iraniana Irna.

"Uma fonte diplomática informada disse no domingo que a Arábia Saudita concordou em conceder um visto para um diplomata dirigir a secção de interesses do Irão", informou a agência.
O escritório deverá ser aberto na missão diplomática suíça na Arábia Saudita, com base num acordo assinado em 2017. O Estado europeu funcionou como um canal diplomático entre os dois países.

Riade rompeu relações diplomáticas em janeiro de 2016 na sequência da invasão da sua embaixada em Teerão por iranianos que se manifestavam contra a execução de um clérigo xiita na Arábia Saudita.

Numa entrevista publicada no site do Ministério das Relações Exteriores do Irão, o porta-voz do ministério disse que houve um "avanço" nas relações entre os dois rivais regionais.
"Até há duas semanas nenhum visto foi emitido para os nomes que enviámos há muito tempo", disse o porta-voz Bahram Qasemi. "Mas nas últimas duas semanas houve um avanço e acho que há indícios de que o escritório será aberto", acrescentou.

A tensão entre os dois países aumentou nos últimos anos - e com isso o sectarismo entre xiitas e sunitas, a apoiarem lados opostos em guerras na Síria e no Iémen e partidos políticos rivais no Iraque e no Líbano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.