Apple apaga podcasts do rei das conspirações norte-americano

Maioria dos programas de Alex Jones foram retirados do iTunes

Alex Jones, o rei das teorias da conspiração norte-americano e fundador do site Infowars, viu a maioria dos seus podcasts retirados do serviço de audio da Apple.

Esta é a mais recente medida de ataque às publicações de Alex Jones, que recentemente viu o Facebook apagar os vídeos dos seus programas e outros sites a suspenderem ou removerem os seus conteúdos, racistas ou xenófobos. A Apple explicou, refere a Reuters, que retirou cinco dos seis podcasts do Infowars incluindo os episódios "War Room" e o programa diário "The Alex Jones Show".

O único programa que ainda está disponível nesta plataforma do Infowars é o "RealNwes with David Knight".

O Spotify já removido alguns dos episódios de Alex Jones na semana passada. "Levamos muito a sério as denúncias de conteúdo de ódio e revimos todos os podcasts ou canções denunciados pela nossa comunidade", referiu no domingo a empresa de streaming. "O Spotify pode confirmar que removeu episódios específicos do 'The Alex Jones Show' por violar a nossa política contra conteúdos de ódio racial."

O Infowars foi fundado em 1999 e desde então tem defendido teorias como a de que o 11 de Setembro foi encenado pelo governo. Tal como a teoria de que o massacre de Sandy Hook foi forjado pela extrema-esquerda, o que já o levou a ser processo por pais de algumas das 26 crianças mortas no tiroteio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.