Apoiantes e adversários reagiram no Twitter ao discurso de Hillary

Hillary Clinton aceitou na noite de quinta-feira a nomeação democrata, tornando-se a primeira mulher na corrida à presidência norte-americana

Apoiantes e adversários de Hillary Clinton, incluindo o republicano Donald Trump, reagiram hoje no Twitter ao discurso da ex-primeira-dama e ex-secretária de Estado, que se tornou a primeira mulher candidata a Presidente na história dos EUA.

"Grande discurso. Ela está testada. Ela nunca desiste. É por isso que Hillary Clinton deve ser a nossa próxima Presidente dos Estados Unidos", escreveu na rede social o Presidente Barack Obama.

Já o candidato republicano às eleições presidenciais de 8 de novembro, Donald Trump, disse que "ninguém tem pior julgamento do que Hillary Clinton - a corrupção e devastação segue-a para onde quer que ela vá".

Donald Trump continuous no ataque noutro 'tweet': "O nosso modo de vida está sob ameaça do islão radical e a Hillary Clinton não consegue dizer as palavras".

O senador Bernie Sanders, seu rival durante as primárias democratas, felicitou Clinton. "Felcito Hillary Clinton por este feito histórico. Somos mais fortes juntos", publicou no Twitter.

Também o marido e ex-presidente norte-americano Bill Clinton manifestou o seu apoio na rede social: "Mais do que nunca, estou com ela, a nossa próxima Presidente".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.