Anulada prisão perpétua para ex-presidente Morsi em caso de espionagem

O mesmo tribunal já anulara a pena de morte à qual o antigo Presidente islamita também fora condenado

A justiça do Egito anulou hoje a pena de prisão perpétua a que foi condenado o ex-Presidente Mohamed Morsi e ordenou um novo julgamento do caso em que foi acusado de espionagem em benefício de organizações estrangeiras.

Além da de Morsi, o Supremo Tribunal do Egito também anulou a condenação do líder da Irmandade Muçulmana, Mohamed Badia, e a de outros 15 dirigentes e membros da organização.

A decisão de hoje refere-se à condenação por espionagem em benefício do movimento islamita palestiniano Hamas, do movimento xiita libanês Hezbollah e do Irão.

A 15 de novembro, o mesmo tribunal anulou a pena de morte à qual o antigo Presidente islamita também foi condenado, em junho de 2015, pelo seu papel nas evasões em massa de prisões e em ataques contra a polícia durante a revolta que afastou Hosni Mubarak do poder em 2011.

No próximo dia 27, o mesmo tribunal de recurso deve começar a analisar uma outra condenação à pena de prisão perpétua imposta a Morsi num outro caso em que foi acusado pelo roubo de "documentos relativos à segurança nacional" e a sua entrega ao Qatar, um apoiante de longa data da Irmandade Muçulmana.

No total, Morsi, o primeiro presidente egípcio eleito democraticamente, foi condenado em quatro julgamentos desde a sua destituição pelo exército em 2013.

Morsi está detido na prisão de Borg-el-Arab, perto de Alexandria.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.