"António Vitorino vai precisar de muita sabedoria política e astúcia"

Diretor da OIM para a Europa, Eugenio Ambrosi, considera que o novo diretor-geral da organização, António Vitorino, terá como desafio abordagens políticas nacionalistas que defendem o "National First" e só depois os migrantes e refugiados

Em entrevista ao DN, em Bruxelas, o responsável da OIM lembra que, até final do ano, é suposto ser aprovado, em Nova Iorque, o pacto global das migrações. E diz que na OIM todos estão ansiosos por que Vitorino, o novo líder da organização, entre em funções, em outubro.

Já conversou com António Vitorino, o novo diretor-geral da Organiação Internacional das Migrações (OIM), sobre o trabalho que vão ter pela frente?
Já lhe enviamos uma mensagem de felicitação. Penso que estamos todos ansiosos para que ele entre em funções, no início de outubro. É obviamente um momento importante para a OIM, porque mudamos de liderança, ao mesmo tempo que o pacto global para as migrações é suposto ser aprovado em Nova Iorque e depois ratificado na conferência de Marraquexe, no final do ano. Então é uma transição muito importante, nas questões das migrações em geral e na organização que é suposto ter um papel de liderança.

Quais serão os grandes desafios que o esperam?
Penso que há inúmeros, claro. Um [deles] é o que estamos a ver não apenas na Europa como reaparecimento de abordagens políticas nacionalistas muito fortes, que aparecem quando se trata de migrações. Um conjunto de visões política que são muito mais restritivas, do que o que tivemos no passado. E, também uma política que está mais concentrada em "Nacional First" e só depois os refugiados. Penso que estes serão os grandes desafios. Relacionado com isto, está o facto de vermos em muitos lugares do mundo desenvolvido ou industrializado - e também na Europa -, que é alguma restrição do espaço disponível para os direitos fundamentais. Continuamos a ter um mundo com muita instabilidade e conflitos, desde a Líbia, à República Centro Africana ou na Síria. Também a situação na Venezuela. Isto leva a grandes movimentos de pessoas, interna ou externamente. Penso que o novo director-geral António Vitorino assume funções numa situação que é complexa, que vai requerer muita sabedoria política e astúcia.

Em Bruxelas

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.