Lobo Antunes "chocado" com morte de Bourdain

O escritor português e a mulher jantaram com o chef durante a sua passagem por Lisboa, em 2011. Agora recordam-no

António Lobo Antunes e a mulher, Cristina, foram duas das pessoas que privaram com Anthony Bourdain durante a sua passagem por Lisboa, no final de 2011.

O encontro foi proporcionado pela editora Leya, que publica os livros de António Lobo Antunes, a pedido de Anthony Bourdain, que quis conhecer o autor de quem andava a ler a obra "Fado Alexandrino".

"Esta morte foi muito chocante e triste. Jantámos juntos, ele queria conhecer-me... Estava muito cansado porque tinha passado a noite a ler o meu livro", recorda o consagrado autor, que adianta ter ficado "amigo" de Bourdain.

"Conheci um homem muito agradável, inteligente, culto, muito simpático, educado, com uma grande cultura geral". E com jeito para a escrita."Ele deu-me alguns livros dele, muito bem escritos por sinal", elogia Lobo Antunes.

Cristina Lobo Antunes, mulher do escritor, acompanhou-o ao jantar com o intrépido chef. O local escolhido foi A Tasca do Chico, no Bairro Alto, em Lisboa. Como por lá não servem jantares, os comensais tiveram de se contentar com uma noite de petiscos e fado. "Comemos pão com queijo e ouvimos a Carminho", recorda.

O pano de fundo ideal para o que se viria a conversar naquela mesa. "Recordo-me do olhar dele e da honestidade com que falou da sua vida. Senti que era um homem atormentado", diz a ex-jornalista, remetendo para o passado de drogas que Anthony Bourdain não teve vergonha em tornar público.

Apesar do peso do passado, Bourdain "tinha um sorriso lindo", solta António Lobo Antunes que falou com o chef sobre muitas coisas naquele jantar. "Ele fez muitas perguntas sobre a Guerra em Angola", comenta Cristina Lobo Antunes que nunca vai esquecer aquela noite: "Foi muito forte e intensa".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.