Antigo Presidente admite ter recebido suborno de 100 mil dólares

A acusação afirma que o antigo chefe de Estado recebeu 1,6 milhões de dólares.

O antigo Presidente da Coreia do Sul Lee Myung-bak admitiu, durante uma audiência sobre acusações de corrupção, ter recebido 100 mil dólares de um fundo secreto dos serviços de inteligência, noticia a agência Yonhap.

De acordo com esta agência de notícias sul-coreana, citada pela francesa AFP, o antigo chefe de Estado voltou hoje para casa, depois de ter sido ouvido durante mais de 21 horas pelas autoridades do país, acusado de aceitar milhões de dólares em subornos.

Myung-bak negou a maioria das acusações de corrupção, mas admitiu ter recebido fundos secretos por parte dos serviços de informação secretos do país, de acordo com uma fonte do Ministério Público.

"O Presidente Lee nega a maioria das acusações", disse esta fonte à Yonhap, sublinhando, no entanto, que "ele admitiu ter recebido 100 mil dólares".

No total, a acusação afirma que o antigo chefe de Estado recebeu 1,6 milhões de dólares.

De acordo com a Yonhap, é provável que a acusação peça a um tribunal para emitir um mandado de prisão contra o antigo Presidente do país nos próximos dias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.