Antigo governador de Banco de Espanha investigado em escândalo financeiro

Ex-diretor da Comissão Nacional do Mercado de Valores de Espanha também está a ser investigado

A Justiça espanhola decidiu hoje investigar um antigo governador do banco central de Espanha no caso da entrada em bolsa do Bankia em 2011, um dos maiores escândalos financeiros dos últimos anos no país.

Um ex-diretor da Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV) de Espanha também está a ser investigado, segundo a imprensa espanhola.

De acordo com o juiz de instrução especializado em casos de corrupção, tanto Miguel Ángel Fernández Ordónez como Júlio Segura autorizaram a operação de entrada em bolsa do Bankia, "apesar das reiteradas advertências da equipa de inspeção do Banco de Espanha" sobre a inviabilidade do grupo.

Os técnicos da autoridade bancária espanhola sublinharam que a solução "não devia ser aprovada, pois podia implicar prejuízos graves para os acionistas e contribuintes".

O Bankia recebeu uma ajuda pública em maio de 2012, menos de um ano depois de ter sido admitido na bolsa de valores, e os seus dirigentes são acusados de terem prestado informações incorretas antes da operação.

O ex-ministro da Economia espanhol e antigo presidente do FMI (Fundo Monetário Internacional) Rodrigo Rato, que dirigiu o Bankia nessa altura, também está a ser investigado no âmbito deste caso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

No PSD não há inocentes

Há coisas na vida que custam a ultrapassar. A morte de alguém que nos é querido. Uma separação que nos parece contranatura. Ou uma adição que nos atirou ao charco e da qual demoramos a recuperar. Ao PSD parece terem acontecido as três coisas em simultâneo: a morte - prematura para os sociais democratas - de um governo, imposta pela esquerda; a separação forçada de Pedro Passos Coelho; e uma adição pelo poder que dá a pior das ressacas em política.