Antigo diretor do FMI Rodrigo Rato condenado a 4,5 anos de prisão

Tribunal espanhol considerou Rato culpado pelo crime de peculato quando este era presidente da Caja Madrid e do Bankia

O antigo diretor-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI) Rodrigo Rato foi hoje condenado a quatro anos e meio de prisão por se ter apropriado indevidamente de património de dois bancos espanhóis dos quais era presidente.

A Audiência Nacional, tribunal nacional espanhol que julga casos de corrupção e crimes financeiros, anunciou que considerou Rodrigo Rato culpado pelo crime de peculato quando este era presidente da Caja Madrid e do Bankia e numa altura em que as duas entidades estavam em dificuldades.

Rodrigo Rato de 67 anos foi diretor-geral do FMI entre 07 de junho de 2004 e junho de 2007.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.