Antiga refém das FARC diz que Nobel da Paz deve ser partilhado com guerrilha

A antiga candidata às eleições presidenciais colombianas foi refém das FARC durante seis anos e acredita que o Nobel devia ser partilhado com o outro lado do conflito civil

A antiga refém das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) Ingrid Betancourt considerou hoje que o prémio Nobel da Paz, atribuído ao presidente colombiano Juan Manuel Santos, devia ter sido partilhado com o movimento de guerrilha.

"As pessoas que a sequestraram também mereciam o Nobel da Paz?", perguntou o jornalista, num contacto telefónico da cadeia francesa I-Télé.

"Sim. É muito difícil dizer sim, mas penso que sim", respondeu, muito comovida, Ingrid Betancourt, que esteve sequestrada pelas FARC entre 2002 e 2008.

O prémio Nobel da Paz foi atribuído ao presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, pelos seus esforços para pôr fim à guerra civil no país.

Assinado a 26 de setembro em Cartagena das Índias entre o governo da Colômbia e as FARC, o acordo de paz foi rejeitado pela população num referendo realizado em 02 de outubro.

"Estou muito, muito, muito feliz" pela atribuição do prémio a Juan Manuel Santos, acrescentou Betancourt.

"Não só penso que o merece, mas também por se tratar de um momento de reflexão para a Colômbia, de esperança de paz, de alegria, de se dizer que efetivamente a paz não fez marcha-atrás", disse.

Juan Manuel Santos "lutou praticamente só para conseguir este resultado, mudou a história do país, deu à nova geração colombiana a possibilidade de conhecer um país diferente. É um momento imenso para a Colômbia", afirmou a antiga refém da guerrilha.

Em declarações à rádio colombiana Blu Radio, Ingrid Betancourt saudou a atribuição do Nobel como "um impulso extraordinário" que "cimenta a paz na Colômbia, e diminui as vozes daqueles que queriam ver abortar o processo de paz".

"Estamos perante a possibilidade de crescer, de amadurecer democraticamente e de poder dizer à geração que chega que fomos capazes, todos juntos, de acreditar na paz (...) de deixar para trás as nossas vinganças, os nossos ódios", acrescentou.

Ingrid Betancourt saudou o Nobel como um reconhecimento "desta transformação extraordinária das FARC, que passaram de um grupo terrorista ligado à droga para um verdadeiro grupo de seres humanos convencidos de que podem contribuir para a paz".

A antiga refém, que vive atualmente entre a França, Reino Unido e Estados Unidos, foi candidata às eleições presidenciais colombianas pelo partido ecologista, antes do rapto pelas FARC.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).