Antiga campeã olímpica revela ter sido "mais uma vítima de Larry Nassar"

A ex-atleta Jordyn Wieber, medalha de ouro olímpica em Londres2012, revelou hoje ter sido "mais uma vítima de Larry Nassar", antigo médico da seleção de ginástica dos Estados Unidos, condenado a 60 anos de prisão em outro processo.

"Pensava que a preparação para os Jogos Olímpicos era a coisa mais difícil que tinha enfrentado. Mas, na verdade, foi aceitar o facto de ter sido mais uma vítima de Larry Nassar", disse Wieber, no quarto dia de audiência do julgamento do antigo médico da seleção norte-americana.

Nassar, de 54 anos, que, em dezembro de 2017, foi condenado a 60 anos de prisão, por posse de pornografia infantil, declarou-se culpado das agressões sexuais de que é acusado por Wieber e as colegas na equipa olímpica de Londres2012, Aly Raisman, Gabby Douglas e McKayla Maroney.

A compatriota Simone Biles, maior figura da ginástica mundial, que conquistou quatro medalhas de ouro nos Jogos Olímpicos Rio2016, já tinha revelado na sua conta oficial no Twitter ter sofrido abusos sexuais de Nassar.

Para Wieber, que conquistou a medalha de ouro por equipas na capital inglesa, tanto a federação norte-americana como o Comité Olímpico dos Estados Unidos "são também responsáveis" pelos abusos sexuais de que é acusado Nassar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.