Anotações da mulher de Bárcenas implicam Rajoy na corrupção do PP

Rosalía Bárcenas escreveu um "completo catálogo de irregularidades" do PP, hoje revelado pelo jornal 'El Español'

A mulher do ex-tesoureiro do PP Luis Bárcenas, Rosalía Bárcenas, tem anotações que apontam para o envolvimento do chefe do governo espanhol, Mariano Rajoy, no esquema de pagamentos irregulares aos dirigentes do partido.

Barcénas, que geriu as contas do Partido Popular (PP) espanhol durante cerca de 18 anos, está acusado de delitos contra as finanças espanholas, nomeadamente branqueamento de capitais e falsificação de documentos, no chamado caso Gürtel.

Segundo o El Español, que teve acesso aos registos de Rosalía Bárcenas, a mulher do ex-tesoureiro do PP fez por escrito um inventário de toda a documentação detida pelo casal. Nestas anotações, estarão informações comprometedoras para Rajoy.

Esta lista foi elaborada em junho de 2013, depois da detenção de Bárcenas, que manteve com a mulher longas conversas enquanto esteve, no início, sob custódia das autoridades. Trata-se de um "completo catálogo de irregularidades" do PP vinculadas com o financiamento ilegal do partido, remetendo, por exemplo, para pagamento de obras "em casa de Mariano", adianta o jornal. Os manuscritos de Rosalía fazem referência aos pagamentos para trabalhos no domicílio de Rajoy mas detalham igualmente de que modo eram feitas as entregas de dinheiro ao atual governante.

Estes documentos, segundo o El Español, nunca foram entregues a um juiz, devido à guerra interna entre os agentes da Polícia Nacional, nomeadamente entre o ex-comissário dos Assuntos Internos, Marcelino Martín Blas, e o comissário José Manuel Villarejo, que se acusam de ter levado ilegalmente documentos que estavam na posse do ex-tesoureiro do PP durante operações policiais para descobrir a alegada fortuna que Bárcenas escondia, e que ainda não foi encontrada. Seriam usados pelo casal como estratégia de defesa no julgamento.

Bárcenas disse perante a Audiência Nacional espanhola, que julga matérias de especial importância como o terrorismo ou crime organizado, que todos os presidentes, secretários-gerais e vice-secretários do PP recebiam pagamentos por fora e que as verbas eram entregues em mão, dentro de envelopes, uma vez que, legalmente, os cargos que ocupavam não lhes permitiam obter qualquer outra remuneração senão aquela que resultava dos postos na hierarquia da administração pública. Sobre Rajoy, Bárcenas chegou a precisar que as entregas do dinheiro eram feitas por Álvaro Lapuerta, antigo tesoureiro do PP, que se encarregava de lhe fazer chegar as verbas.

No que diz respeito às obras em casa de Rajoy, conforme as anotações da mulher de Bárcenas, chegaram a circular duas versões diferentes, conta o El Español. Na primeira, os trabalhos serviram para reforçar a segurança na casa do presidente do partido e terão sido autorizados pelo PP, podendo mesmo ser oferecidas pelo arquiteto Gonzalo Urquijo - a quem o PP atribuiu a renovação do edifício da sede em Madrid. A segunda versão, refere que terão sido obras de maior envergadura e que foram pagas com o dinheiro da "caixa B" do partido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.