Anne Hathaway. "Todos os negros na América temem pelas suas vidas diariamente"

A atriz fez-se "ouvir" depois de uma jovem negra ter sido assassinada à facada numa estação de comboio na Califórnia. No Instagram, Hathaway ataca o "privilégio" branco e pede justiça

"Ela não é uma hashtag. É uma mulher negra e foi assassinada a sangue frio por um homem branco". As palavras são da atriz Anne Hathaway​​​​​​, indignada com a morte de Nia Wilson, de 18 anos, numa estação de comboio em Oakland, na Califórnia, no domingo, dia 22 de julho. O suspeito pelo homicídio foi detido na segunda-feira.

Chefe da polícia local disse que foi o "ataque mais cruel" que já viu na sua carreira de quase 30 anos

No texto que publicou no Instagram, a estrela de Hollywood ataca o "privilégio" branco, pede que o caso não seja remetido ao silêncio e apela à justiça. "Pessoas brancas - incluindo eu, incluindo vocês - devem levar até à medula dos nossos ossos privilegiados a verdade de que todos os negros na América temem pela vida diariamente e já o sentem há várias gerações", sublinhou Hathaway, e condena a falta de ação neste tipo de casos.

Nia Wilson e a irmã estavam a regressar de um evento familiar quando ocorreu o ataque na estação de Oakland. A jovem foi esfaqueada no pescoço até à morte e a irmã sofreu ferimentos, tendo sido hospitalizada. Aos jornalistas, Carlos Roja, chefe da polícia local disse que foi o "ataque mais cruel" que já viu na sua carreira de quase 30 anos.

Roja informou que os investigadores estão a tentar determinar o que esteve na origem do ataque e que não há, para já, "nenhuma informação de que foi motivado por questões raciais". "Mas não descartamos essa hipótese", disse.

O suspeito pelo assassinato de Nia Wilson foi detido na segunda-feira numa outra estação de comboios, em Pleasant Hill, e está sob custódia policial. A detenção de John Lee Coweel, de 27 anos, aconteceu após uma denúncia anónima.

De acordo com a polícia, o suspeito pelo assassinato de Nia Wilson saiu da prisão no passado dia 6 de maio depois de cumprir pena por roubo.

A estação de televisão norte-americana ABC 7 News partilhou nas redes sociais o momento em que Cowell foi detido.

Além de Anne Hathaway, outras celebridades mostraram a sua indignação pela morte de Nia Wilsson, usando as hashtags #sayhername ou #justiceforNia, como a vencedora de um Óscar Viola Davis. "Quando é que isto vai parar. Estou a ficar cansada do desgosto. Cansada de ter de organizar manifestações para convencer as pessoas que as nossas vidas importam. Ao assassino não vou dizer o teu nome. À Nina... vamos gritar o teu dos telhados", escreveu a atriz no Instagram.

A mesma promessa fez a cantora Janelle Monae. "O teu nome significa algo para nós e não vamos parar de o dizer", escreveu nas redes sociais. Também a atriz Reese Witherspoon manifestou-se no Twitter de "coração partido" pela família e amigos de Nia Wilson.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.