Anne Hathaway. "Todos os negros na América temem pelas suas vidas diariamente"

A atriz fez-se "ouvir" depois de uma jovem negra ter sido assassinada à facada numa estação de comboio na Califórnia. No Instagram, Hathaway ataca o "privilégio" branco e pede justiça

"Ela não é uma hashtag. É uma mulher negra e foi assassinada a sangue frio por um homem branco". As palavras são da atriz Anne Hathaway​​​​​​, indignada com a morte de Nia Wilson, de 18 anos, numa estação de comboio em Oakland, na Califórnia, no domingo, dia 22 de julho. O suspeito pelo homicídio foi detido na segunda-feira.

Chefe da polícia local disse que foi o "ataque mais cruel" que já viu na sua carreira de quase 30 anos

No texto que publicou no Instagram, a estrela de Hollywood ataca o "privilégio" branco, pede que o caso não seja remetido ao silêncio e apela à justiça. "Pessoas brancas - incluindo eu, incluindo vocês - devem levar até à medula dos nossos ossos privilegiados a verdade de que todos os negros na América temem pela vida diariamente e já o sentem há várias gerações", sublinhou Hathaway, e condena a falta de ação neste tipo de casos.

Nia Wilson e a irmã estavam a regressar de um evento familiar quando ocorreu o ataque na estação de Oakland. A jovem foi esfaqueada no pescoço até à morte e a irmã sofreu ferimentos, tendo sido hospitalizada. Aos jornalistas, Carlos Roja, chefe da polícia local disse que foi o "ataque mais cruel" que já viu na sua carreira de quase 30 anos.

Roja informou que os investigadores estão a tentar determinar o que esteve na origem do ataque e que não há, para já, "nenhuma informação de que foi motivado por questões raciais". "Mas não descartamos essa hipótese", disse.

O suspeito pelo assassinato de Nia Wilson foi detido na segunda-feira numa outra estação de comboios, em Pleasant Hill, e está sob custódia policial. A detenção de John Lee Coweel, de 27 anos, aconteceu após uma denúncia anónima.

De acordo com a polícia, o suspeito pelo assassinato de Nia Wilson saiu da prisão no passado dia 6 de maio depois de cumprir pena por roubo.

A estação de televisão norte-americana ABC 7 News partilhou nas redes sociais o momento em que Cowell foi detido.

Além de Anne Hathaway, outras celebridades mostraram a sua indignação pela morte de Nia Wilsson, usando as hashtags #sayhername ou #justiceforNia, como a vencedora de um Óscar Viola Davis. "Quando é que isto vai parar. Estou a ficar cansada do desgosto. Cansada de ter de organizar manifestações para convencer as pessoas que as nossas vidas importam. Ao assassino não vou dizer o teu nome. À Nina... vamos gritar o teu dos telhados", escreveu a atriz no Instagram.

A mesma promessa fez a cantora Janelle Monae. "O teu nome significa algo para nós e não vamos parar de o dizer", escreveu nas redes sociais. Também a atriz Reese Witherspoon manifestou-se no Twitter de "coração partido" pela família e amigos de Nia Wilson.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.