Anne Hathaway. "Todos os negros na América temem pelas suas vidas diariamente"

A atriz fez-se "ouvir" depois de uma jovem negra ter sido assassinada à facada numa estação de comboio na Califórnia. No Instagram, Hathaway ataca o "privilégio" branco e pede justiça

"Ela não é uma hashtag. É uma mulher negra e foi assassinada a sangue frio por um homem branco". As palavras são da atriz Anne Hathaway​​​​​​, indignada com a morte de Nia Wilson, de 18 anos, numa estação de comboio em Oakland, na Califórnia, no domingo, dia 22 de julho. O suspeito pelo homicídio foi detido na segunda-feira.

Chefe da polícia local disse que foi o "ataque mais cruel" que já viu na sua carreira de quase 30 anos

No texto que publicou no Instagram, a estrela de Hollywood ataca o "privilégio" branco, pede que o caso não seja remetido ao silêncio e apela à justiça. "Pessoas brancas - incluindo eu, incluindo vocês - devem levar até à medula dos nossos ossos privilegiados a verdade de que todos os negros na América temem pela vida diariamente e já o sentem há várias gerações", sublinhou Hathaway, e condena a falta de ação neste tipo de casos.

Nia Wilson e a irmã estavam a regressar de um evento familiar quando ocorreu o ataque na estação de Oakland. A jovem foi esfaqueada no pescoço até à morte e a irmã sofreu ferimentos, tendo sido hospitalizada. Aos jornalistas, Carlos Roja, chefe da polícia local disse que foi o "ataque mais cruel" que já viu na sua carreira de quase 30 anos.

Roja informou que os investigadores estão a tentar determinar o que esteve na origem do ataque e que não há, para já, "nenhuma informação de que foi motivado por questões raciais". "Mas não descartamos essa hipótese", disse.

O suspeito pelo assassinato de Nia Wilson foi detido na segunda-feira numa outra estação de comboios, em Pleasant Hill, e está sob custódia policial. A detenção de John Lee Coweel, de 27 anos, aconteceu após uma denúncia anónima.

De acordo com a polícia, o suspeito pelo assassinato de Nia Wilson saiu da prisão no passado dia 6 de maio depois de cumprir pena por roubo.

A estação de televisão norte-americana ABC 7 News partilhou nas redes sociais o momento em que Cowell foi detido.

Além de Anne Hathaway, outras celebridades mostraram a sua indignação pela morte de Nia Wilsson, usando as hashtags #sayhername ou #justiceforNia, como a vencedora de um Óscar Viola Davis. "Quando é que isto vai parar. Estou a ficar cansada do desgosto. Cansada de ter de organizar manifestações para convencer as pessoas que as nossas vidas importam. Ao assassino não vou dizer o teu nome. À Nina... vamos gritar o teu dos telhados", escreveu a atriz no Instagram.

A mesma promessa fez a cantora Janelle Monae. "O teu nome significa algo para nós e não vamos parar de o dizer", escreveu nas redes sociais. Também a atriz Reese Witherspoon manifestou-se no Twitter de "coração partido" pela família e amigos de Nia Wilson.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".