Angolana TAAG já pode para voar para qualquer país da União Europeia

A empresa, detida pelo Estado angolano, é gerida pelos árabes da Emirates desde o ano passado

A transportadora aérea TAAG passou a estar em condições de voar para os países da União Europeia, com a nova licença de Operador de País Terceiro (TCO), anunciou hoje a companhia de bandeira angolana em comunicado enviado à Lusa.

De acordo com a mesma informação, a transportadora aérea, que já voa para Lisboa e Porto (Portugal), recebeu a aprovação da Agência de Segurança Aérea da União Europeia, atribuindo a licença TCO, para todos os países daquele espaço.

"A TAAG está agora livre para se candidatar a qualquer licença comercial para operar em qualquer dos estados-membros da União Europeia e está no mesmo nível que qualquer grande companhia aérea estrangeira a voar para a Europa", lê-se.

A empresa, detida pelo Estado angolano e gerida pelos árabes da Emirates desde 2015, explica tratar-se do "resultado de um processo de inspeção e auditoria no início do ano em curso", a qual permitiu aprovar "que todo o tipo de aeronaves propriedade da TAAG" possam voar para o espaço aéreo e territórios dos estados-membros da União Europeia, nomeadamente os Boeing 777-200 ER, 777-300ER e 737-700.

"Este é um marco significativo para a história da companhia aérea nacional de Angola em restabelecer-se como um veículo de qualidade internacional. Esta Licença nos permite ir para qualquer lado dentro da Europa, sujeitos a direitos de tráfego", refere o presidente do conselho de administração da TAAG, o britânico Peter Hill, citado no mesmo comunicado.

O administrador acrescenta que a atribuição da licença TCO permite uma "garantia adicional" aos clientes de que aquela companhia aérea - que chegou a estar impedida de voar para a Europa há cerca de dez anos - "é gerida com os mais altos padrões de segurança possíveis" e significa que pode figurar na lista das "companhias aéreas aprovadas" internacionalmente.

"É uma evidência tangível da mudança que o acordo com a Emirates esta a trazendo para a TAAG", sustenta Peter Hill.

O Governo angolano e a Emirates Airlines assinaram em 2015 um contrato de gestão, prevendo a introdução de uma "gestão profissional de nível internacional" na TAAG, a melhoraria "substancial da qualidade do serviço prestado" e o saneamento financeiro da companhia angolana, que em 2014 registou prejuízos de 99 milhões de dólares (cerca de 87 milhões de euros).

Peter Hill admitiu em maio que ainda não será em 2016 que a transportadora aérea angolana pública inverte os resultados negativos, algo que só espera que aconteça num horizonte de três anos.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.