Londres acha "esplêndido" Angola juntar-se à Commonwealth

Novidade foi confirmada pelo ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Boris Johnson, no Twitter.

O ministro dos Negócios Estrangeiros britânico anunciou esta quarta-feira que Angola pediu a adesão à Commonwealth. "Esplêndido que Angola queira juntar-se à família da Commonwealth", escreveu Boris Johnson no Twitter.

Johnson elogiou ainda o empenho do presidente João Lourenço nas reformas, no combate à corrupção e na melhoria dos direitos humanos.

Tal como o DN já referiu na terça-feira, João Lourenço já admitira numa entrevista à Euronews que "Angola está cercada, não por países lusófonos mas por países francófonos e anglófonos". E concluiu: "Portanto, não se admirem que estejamos a pedir agora a adesão à francofonia e que daqui a uns dias estejamos a pedir também a adesão à Commonwealth."

A Commonwealth é uma comunidade de 53 países que evoluiu a partir do antigo império britânico, tendo tido na sua larga maioria uma ligação colonial com o Reino Unido. Moçambique é uma das poucas exceções, tendo aderido à Commonwealth em 1995. A outra é o Ruanda, antiga colónia belga.

Um dos nove países da CPLP (a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa), Angola está rodeada a norte por Estados francófonos e a sul e leste por vizinhos anglófonos. Não espanta assim, nem a visita do presidente João Lourenço a Paris, no domingo, onde foi recebido pelo homólogo francês, Emmanuel Macron, nem que Luanda esteja a pensar pedir a adesão à francofonia.

A entrada na Commonwealth também deverá facilitar os contactos e os negócios entre Angola e os vizinhos de língua oficial inglesa, num momento em que o Reino Unido, prestes a deixar a União Europeia (em março de 2019), promete virar-se mais para os parceiros naquela organização.

Confrontada com uma crise económica desde 2014 e com escassez de divisas, Angola necessita do investimento estrangeiro para reduzir a dependência da receita do petróleo, que representa 30% do PIB, 90% do valor total das exportações e 46% das receitas orçamentais. Para este ano Angola está prevista crescer 1,2%. E 2,4% em 2019.

Foi com a economia em mente que João Lourenço foi à Bélgica na passada segunda-feira. Ali, além dos encontros com o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, e com a chefe da diplomacia da União Europeia, Federica Mogherini, reuniu-se com o rei Filipe e com o primeiro-ministro Charles Michel. Na terça-feira, o presidente angolano deslocou-se a Antuérpia, segundo porto europeu e centro da indústria diamantífera. Angola é um dos principais produtores mundiais.

A própria CPLP acolheu a Guiné Equatorial como membro em 2014. Isto além de ter como observadores países tão diversos como a Turquia, o Japão, a Geórgia ou a Namíbia.

Ao aderir à Commonwealth, Angola segue as pisadas de Moçambique. Mas não é o único outro país lusófono que, fazendo parte da CPLP, também se juntou a outras organizações linguísticas. Cabo Verde e Guiné, por exemplo, pertencem à Organização Internacional da Francofonia. A questão da língua não é exclusiva nestas organizações. A própria CPLP acolheu a Guiné Equatorial como membro em 2014. Isto além de ter como observadores países tão diversos como a Turquia, o Japão, a Geórgia ou a Namíbia.

Com Patrícia Jesus

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?