Londres acha "esplêndido" Angola juntar-se à Commonwealth

Novidade foi confirmada pelo ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Boris Johnson, no Twitter.

O ministro dos Negócios Estrangeiros britânico anunciou esta quarta-feira que Angola pediu a adesão à Commonwealth. "Esplêndido que Angola queira juntar-se à família da Commonwealth", escreveu Boris Johnson no Twitter.

Johnson elogiou ainda o empenho do presidente João Lourenço nas reformas, no combate à corrupção e na melhoria dos direitos humanos.

Tal como o DN já referiu na terça-feira, João Lourenço já admitira numa entrevista à Euronews que "Angola está cercada, não por países lusófonos mas por países francófonos e anglófonos". E concluiu: "Portanto, não se admirem que estejamos a pedir agora a adesão à francofonia e que daqui a uns dias estejamos a pedir também a adesão à Commonwealth."

A Commonwealth é uma comunidade de 53 países que evoluiu a partir do antigo império britânico, tendo tido na sua larga maioria uma ligação colonial com o Reino Unido. Moçambique é uma das poucas exceções, tendo aderido à Commonwealth em 1995. A outra é o Ruanda, antiga colónia belga.

Um dos nove países da CPLP (a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa), Angola está rodeada a norte por Estados francófonos e a sul e leste por vizinhos anglófonos. Não espanta assim, nem a visita do presidente João Lourenço a Paris, no domingo, onde foi recebido pelo homólogo francês, Emmanuel Macron, nem que Luanda esteja a pensar pedir a adesão à francofonia.

A entrada na Commonwealth também deverá facilitar os contactos e os negócios entre Angola e os vizinhos de língua oficial inglesa, num momento em que o Reino Unido, prestes a deixar a União Europeia (em março de 2019), promete virar-se mais para os parceiros naquela organização.

Confrontada com uma crise económica desde 2014 e com escassez de divisas, Angola necessita do investimento estrangeiro para reduzir a dependência da receita do petróleo, que representa 30% do PIB, 90% do valor total das exportações e 46% das receitas orçamentais. Para este ano Angola está prevista crescer 1,2%. E 2,4% em 2019.

Foi com a economia em mente que João Lourenço foi à Bélgica na passada segunda-feira. Ali, além dos encontros com o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, e com a chefe da diplomacia da União Europeia, Federica Mogherini, reuniu-se com o rei Filipe e com o primeiro-ministro Charles Michel. Na terça-feira, o presidente angolano deslocou-se a Antuérpia, segundo porto europeu e centro da indústria diamantífera. Angola é um dos principais produtores mundiais.

A própria CPLP acolheu a Guiné Equatorial como membro em 2014. Isto além de ter como observadores países tão diversos como a Turquia, o Japão, a Geórgia ou a Namíbia.

Ao aderir à Commonwealth, Angola segue as pisadas de Moçambique. Mas não é o único outro país lusófono que, fazendo parte da CPLP, também se juntou a outras organizações linguísticas. Cabo Verde e Guiné, por exemplo, pertencem à Organização Internacional da Francofonia. A questão da língua não é exclusiva nestas organizações. A própria CPLP acolheu a Guiné Equatorial como membro em 2014. Isto além de ter como observadores países tão diversos como a Turquia, o Japão, a Geórgia ou a Namíbia.

Com Patrícia Jesus

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.