Quase seis meses depois das eleições, Merkel toma posse como chanceler

Na votação no Parlamento, dos 688 votos válidos, 364 deputados disseram "sim" a Merkel

A chanceler alemã, Angela Merkel, foi esta quarta-feira empossada como chefe do Governo germânico, quase seis meses depois das eleições que obrigaram a longas negociações para garantir o apoio do Partido Social Democrata (SPD).

A tomada de posse acontece horas depois de os deputados terem votado favoravelmente a eleição Merkel, abrindo as portas para o cumprimento do quatro mandato consecutivo, ao fim de seis meses depois de impasse político.

Na votação no Parlamento, dos 688 votos válidos, 364 deputados disseram "sim" a Merkel, mais nove do que o necessário para atingir a maioria requerida, mas menos 35 do que a maioria teórica do total de eleitos conservadores e sociais-democratas (399).

Segundo os resultados da votação secreta, registaram-se nove abstenções e 315 votos contra.

A coligação de Merkel envolve os conservadores da União Democrata Cristã (CDU) e da União Social Cristã (CSU), bem como o Partido Social Democrata (SPD), de centro esquerda, cujos deputados, no total, representam 399 assentos parlamentares.

A votação de hoje põe termo a 171 dias de impasse governamental -- mais do dobro do anterior recorde --, criado após as eleições de setembro, em que os três partidos perderam força política num país cuja economia é a maior da Europa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.