Ancara avisa Trump que vai continuar a combater milícias curdas apoiadas pelos EUA

Donald Trump tinha prometido arrasar a economia turca se houver ataque aos curdos depois da retirado dos EUA da Síria.

A Turquia afirmou esta segunda-feira que vai continuar a combater as milícias curdas apoiadas por Washington, apesar da ameaça do Presidente dos EUA, que afirmou no domingo que a economia turca será arrasada se houver um ataque aos curdos.

"Não há diferença entre o Daesh, PKK (movimento separatista dos curdos turcos), PYD (maior grupo curdo na Síria), YPG (milícias curdas sírias). Continuaremos a lutar contra todos eles", escreveu na rede social Twitter, o porta-voz da presidência da Turquia, Ibrahim Kalin, numa resposta direta ao Presidente norte-americano.

"Senhor Donald Trump, os terroristas não podem ser seus parceiros e aliados. A Turquia espera que os EUA honrem a nossa parceria estratégica e não quer que ela seja ensombrada pela propaganda terrorista", acrescentou Ibrahim Kalin.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou no domingo que a economia da Turquia será arrasada se houver um ataque aos curdos, depois da retirada das tropas norte-americanas da Síria.

Donald Trump recordou ainda o plano, anunciado em dezembro, da retirada de tropas destacadas na Síria, mas alertou que poderá atacar novamente o auto-proclamado Estado Islâmico, se este ganhar força, e que "devastará economicamente a Turquia se atacar os curdos", e espera que estes não provoquem Ancara.

"A Rússia, o Irão e a Síria tem sido os maiores beneficiários da política duradoura dos Estados Unidos de destruição do Estado Islâmico na Síria - inimigos naturais. Também beneficiamos, mas é tempo de fazer regressar as tropas a casa", escreveu o Presidente dos Estados Unidos.

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, tem ameaçado lançar uma ofensiva militar no norte da Síria contra os referidos combatentes, membros de uma milícia que a Turquia considera "terrorista".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?