Trump quer deportação imediata de imigrantes ilegais sem audição por juiz

"Não podemos permitir que estas pessoas invadam o nosso país", escreveu o Presidente dos EUA no Twitter

Ricardo Simões Ferreira
Trump recebeu sexta-feira na Casa Branca a organização Angel Families, que defende políticas de imigração mais restritivas© REUTERS/Leah Millis

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, defendeu este domingo que os migrantes que passam ilegalmente a fronteira devem ser deportados "imediatamente" sem a oportunidade de serem ouvidos por um juiz.

"Não podemos permitir que estas pessoas invadam o nosso país. Quando alguém entra, devemos imediatamente, sem juízes ou casos judiciais, enviá-lo de volta para o local de onde veio", escreveu Trump na rede social Twitter.

"O nosso sistema zomba de uma boa política de imigração e da lei e ordem", adiantou, indicando que é "ridicularizado em todo o mundo" e que é "muito injusto" para indivíduos que utilizam meios legais para entrar no país.

Quando os imigrantes são detidos nos Estados Unidos devido ao seu estatuto legal têm direito a serem ouvidos por um magistrado, que decide se devem ser expulsos ou se podem ficar no país por terem direito a pedir asilo.

As declarações de de Trump representam outro passo nas suas duras propostas contra a imigração ilegal.

Em abril, a sua administração começou a aplicar uma política de "tolerância zero" em relação à imigração ilegal, que implica processar criminalmente todos os migrantes adultos que tentem entrar no país, o que levou à separação de crianças dos seus familiares quando estes eram detidos.

Devido à política de "tolerância zero", mais de 2.300 crianças e jovens migrantes foram separados dos seus familiares na fronteira com o México, uma situação criticada por quase todos, desde as Nações Unidas até às fileiras republicanas (o partido do presidente) e que levou Trump a assinar na quarta-feira um decreto para se acabar com as separações sistemáticas.