Primeiro-ministro australiano quer demissão de arcebispo condenado por encobrir abusos sexuais

Turnbull disse aos jornalistas que o clérigo de 67 anos não deveria ser autorizado a permanecer no cargo de arcebispo

Patrícia Jesus
O primeiro-ministro australiano, Malcolm Turnbull | foto EPA/JOEL CARRETT
O arcebispo Philip Wilson disse que só renunciará ao cargo se perder o recurso que interpôs num tribunal da Nova Gales do Sul | foto AAP/Darren Pateman/via REUTERS

O primeiro-ministro australiano, Malcolm Turnbull, defendeu na quinta-feira a demissão do arcebispo de Adelaide, o mais alto clérigo católico já condenado por encobrir casos de abuso sexual de menores.

Turnbull disse aos jornalistas que o clérigo de 67 anos não deveria ser autorizado a permanecer no cargo de arcebispo.

Há duas semanas, o primeiro-ministro afirmara já que o clérigo Philip Wilson deveria ter renunciado quando foi condenado em maio por não informar as autoridades sobre o abuso repetido de duas crianças por um padre pedófilo na região de Hunter Valley (norte de Sydney) durante a década de 1970.

O arcebispo de Adelaide já disse que só renunciará ao cargo se perder o recurso que interpôs num tribunal da Nova Gales do Sul.