Órban sobre fecho de fronteiras: "O povo europeu está connosco"

Presidente do PPE, Joseph Daul, diz que Europa não pode "aceitar toda a miséria do mundo".

Rui Pedro Antunes
© REUTERS/Delmi Alvarez

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Órban, mostrou-se hoje irredutível na sua ideia de fechar as fronteiras e disse estar convicto de que: "O povo europeu está connosco". À chegada ao congresso do Partido Popular Europeu (PPE), que decorre hoje e amanhã em Madrid, Órban lembrou que "a Europa e o espaço Schengen têm regras".

Questionado pelos jornalistas sobre "O objetivo não é apenas o de evitar a invasão da fronteira húngara por refugiados, mas fazê-los voltar para trás. De outro modo o espaço Schengen vai entrar em colapso".

Um dos temas do congresso é precisamente os refugiados e, questionado sobre os jornalistas se não o incomoda o facto de ser odiado pela Europa pelos seus atos relativamente a esta crise, Órban insistiu que a "maioria dos europeus" concorda com um controlo de acolhimento dos refugiados.

Logo pela manhã o presidente do PPE, Joseph Daul, lembrou que "a crise financeira foi muito dura, mas esta crise de migrações é muito mais difícil porque o que estamos a falar é de mulheres, homens e crianças que foram forçados a abandonar os seus países e são as suas vidas que estão em jogo".

Daul disse uma frase que está a ser entendida como uma posição do PPE para que exista um acolhimento mais controlado da receção de refugiados: "Para que Schengen possa funcionar não podemos aceitar toda a miséria do mundo".

Em Madrid