Habitantes de Fukushima contra estátua de criança "radioativa"

A peça, intitulada "Sun Child", retrata uma criança com o fato amarelo vestido e um capacete numa das mãos, enquanto que com a outra segura uma representação do sol

Paula Freitas Ferreira
"Sun Child", de Kenji Yanobe© D.R.

Os moradores da cidade japonesa de Fukushima estão a exigir que a estátua do artista Kenji Yanobe - uma criança vestida com um equipamento de proteção contra radiações - seja retirada do exterior da estação ferroviária, alegando que a peça pode passar a imagem que a localidade não pode ser habitada em resultado do desastre nuclear que se seguiu ao sismo e tsunami de 2011 e foi considerado o pior desde Chernobyl em 1986.

A estátua, de Kenji Yanobe, intitulada "Sun Child", retrata uma criança com o fato amarelo vestido e um capacete numa das mãos, enquanto com a outra segura uma representação do sol.

A peça foi instalada pelo governo municipal na estação ferroviária depois de percorrer várias exposições de arte, e o objetivo, segundo o autor, é "expressar o desejo de um mundo livre de armas nucleares", conta o The Guardian.

Yanobe defendeu-se e garantiu que nunca quis passar a ideia de que as crianças da cidade ainda precisavam de proteção contra a radiação, sete anos após o acidente na fábrica Fukushima Daiichi, o mais grave desastre nuclear desde Chernobyl.

O artista explicou que a criança representada na peça não está a usar o capacete e que o monitor no peito mostra níveis de radiação nulos: "000".

A estátua "vai causar danos à reputação de Fukushima, porque dá a impressão de que as pessoas não podem viver na cidade sem equipamentos de proteção", lia-se num dos cartazes dos manifestantes, que expressaram a sua indignação nas ruas de Fukushima, segundo a agência de notícias Kyodo News. Houve quem sublinhasse que a leitura do monitor induzia os visitantes em erro, uma vez que as áreas que não foram afetadas pelas radiações apresentam níveis variados de radiação de fundo.

O autarca da cidade, Hiroshi Kohata, defendeu a decisão de instalar a estátua, e disse acreditar que a criança parece esperançosa sobre o futuro de Fukushima, além de que o símbolo do sol seria uma referência à necessidade de desenvolver fontes de energia limpas.

A polémica com a estátua "Sun Child" acontece numa altura em que as autoridades locais tentam persuadir as famílias a voltarem para os bairros desalojados. Poucos moradores regressaram às suas casas e as famílias com crianças pequenas são as mais reticentes em voltar.

A cidade foi declarada segura em setembro de 2015.