Comissão Juncker diz apenas que vai "trabalhar muito bem" com eleito

"Trabalhámos muito bem com o presidente atual (Jeroen Dijsselbloem), vamos trabalhar muito bem com o próximo", afirmou porta-voz da Comissão Europeia

DN/Lusa
© REUTERS/CHRISTIAN HARTMANN

A Comissão Europeia escusou-se hoje a fazer comentários sobre os quatro candidatos ao cargo de presidente do Eurogrupo, entre os quais Mário Centeno, limitando-se a garantir que irá "trabalhar muito bem" com quem for eleito.

Questionado durante a conferência de imprensa diária da Comissão sobre se o presidente do executivo comunitário, Jean-Claude Juncker, tinha alguma preferência entre os quatro candidatos -- Mário Centeno, Peter Kazimir (Eslováquia), Dana Reizniece-Ozola (Letónia) e Pierre Gramegna (Luxemburgo)-, até porque o último é seu compatriota, o porta-voz Alexander Winterstein sublinhou que "se trata de uma decisão que cabe ao Eurogrupo tomar" e a Comissão nada tem a comentar.

"Trabalhámos muito bem com o presidente atual (Jeroen Dijsselbloem), vamos trabalhar muito bem com o próximo", afirmou o porta-voz.

Winterstein reconheceu que "é verdade que o presidente Juncker já foi ele próprio presidente dessa formação (2005-2013) e conhece-a extremamente bem", mas reforçou que, tal como o presidente da Comissão já sublinhou numa entrevista recente, a escolha do novo presidente "é um assunto de governos e a Comissão não interfere".

O Eurogrupo, fórum informal de ministros das Finanças da zona euro, prepara-se para eleger, na próxima segunda-feira, o terceiro presidente da história, tendo quatro ministros apresentado as suas candidaturas até ao prazo limite para o efeito, 12:00 de quinta-feira em Bruxelas.

Numa eleição por maioria simples, os 19 países da área do euro escolherão entre Centeno, Kazimir, Ozola e Gramegna como sucessor do holandês Jeroen Dijsselbloem, que em janeiro de 2013 sucedeu àquele que foi o primeiro presidente do fórum informal de ministros das Finanças da zona euro, o agora presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, que quando assumiu funções (2005) era primeiro-ministro e ministro das Finanças do Luxemburgo.

A generalidade da imprensa internacional e muitos analistas em Bruxelas apontam Centeno como o favorito, e referem que Gramegna tem contra si designadamente o facto de o Luxemburgo, um dos mais pequenos Estados-membros da União, já ter a presidência da Comissão Europeia (Juncker).

A eleição realizar-se-á na segunda-feira à tarde, naquele que será o último encontro do Eurogrupo presidido por Dijsselbloem, que deixou de ser ministro das Finanças da Holanda na sequência das eleições legislativas deste ano naquele país.