EUA gastam 1.500.000.000.000 dólares em guerras desde o 11 de Setembro

Guerras no Iraque, Afeganistão e Síria custaram 1.74 biliões de euros aos contribuintes norte-americanos

Susete Francisco
© EPA/Shawn Thew

Desde que, a 11 de Setembro de 2001, dois aviões embateram contra as Torres Gémeas, em Nova Iorque, matando cerca de 3000 pessoas, os Estados Unidos gastaram 1.5 biliões de dólares em guerras. Mais especificamente 1.500.000.000.000 dólares, qualquer coisa como 1,74 biliões de euros.

De acordo com um relatório do Departamento de Defesa Norte-americano, citado pela estação televisiva CNBC, esta foi a soma dos custos das guerras no Iraque, Afeganistão e Síria.

As operações que decorrem atualmente nestes países - Freedom´s Sentinel no Afeganistão e Inherent Resolve no Iraque e Síria, além da Noble Eagle, a operação de segurança interna para o território dos Estados Unidos e Canadá - já custaram aos contribuintes norte-americanos 185.5 mil milhões de dólares. Deste valor, a fatia de leão vai para as operações em território afegão.

A operação Liberdade Duradoura, que incidiu sobretudo sobre o Afeganistão, em resposta aos ataques de 11 de Setembro, custou 584 mil milhões. Mas é a guerra no Iraque a responsável pela grande fatia dos custos - 730 mil milhões de dólares.

Segundo o relatório, o dinheiro destinou-se ao treino dos militares, equipamentos e manutenção, mas também a salários, serviços médicos e alimentação dos operacionais no terreno.

Na passada semana, antes de uma deslocação-surpresa ao Afeganistão, o secretário de Defesa norte-americano, James Mattis, disse aos jornalistas estar esperançado que as negociações em curso com os talibã possam por um ponto final naquela que se transformou na mais longa guerra dos Estados Unidos que, 17 anos depois, mantém cerca de 14 mil soldados no território.

Em junho, um inédito cessar-fogo e uma reunião posterior entre responsáveis dos talibã e representantes dos EUA abriram a porta a um cenário de fim dos combates, mas desde então os talibãs lançaram uma onda de ataques que compromete esse desfecho.