Duterte chama "estúpido" a Deus e irrita igreja católica

Presidente filipino criticou a história de Adão e Eva e o conceito bíblico de pecado original.

Helena Tecedeiro
Duterte criticou a ideia de pecado original© REUTERS/Erik De Castro

"O vosso Deus não é o meu Deus porque o vosso Deus é estúpido", afirmou Rodrigo Duterte durante a tomada de posse de uns eleitos locais na aldeia de Cagayan. O presidente filipino, citado pelo Manila Times, reafirmava assim a frase que dissera dias antes provocando uma vaga de indignação não só da Igreja Católica, como de boa parte da população (104 milhões ao todo) num país em que mais de 80% são católicos.

Famoso pelo discurso incendiário, Duterte proferira há dias um discurso televisivo em que criticava a história de Adão e Eva e o conceito bíblico de pecado original. "Criaste um paraíso perfeito, mas porque é que chamaste uma serpente para dar uma maçã [a Adão] e tentar os dois?" E rematou interrogando-se: "Quem é este Deus estúpido?" que "destrói a qualidade do seu trabalho".

Bispos condenam

A reação não tardou, com vários dirigentes da igreja católica nas Filipinas a condenarem as palavras de Duterte. "Não queremos um presidente vulgar e sem maneiras", escreveu no Facebook Broderick Pabillo, bispo auxiliar de Manila. E o bispo Noel Pantoja, diretor nacional do Concelho das Igrejas Evangélicas das Filipinas, afirmou-se "ofendido" com as palavras do presidente.

Gabinete defende

O porta-voz de Duterte, Harry Roque, veio entretanto em defesa do chefe do Estado, garantindo que estas são as suas convicções pessoais. E explicou que a ira do presidente com a igreja católica tem base nas suas alegações de que terá sido abusado por um padre quando era criança.

Homem de todas as polémicas

No poder desde julho de 2016, Rodrigo Duterte tem-se destacado pela retórica feroz e algumas decisões controversas. A sua campanha contra os traficantes de droga - cujo assassínio extrajudiciais tem promovido - deu-lhe destaque internacional. De tal forma que o Tribunal Criminal Internacional abriu um inquérito já este ano para investigar os crimes.

Afirmando-se "feliz" se pudesse matar milhões de toxicodependentes, em 2017 Duterte garantiu mesmo ter esfaqueado alguém quando era adolescente.

Os insultos também são a sua especialidade - afinal foi ele quem chamou "filho da puta" ao ex-presidente dos EUA Barack Obama e também ao Papa Francisco.