Deputados acrescentam aos nomes alcunhas "Lula" e "Moro"

Presidente do PT vai passar a ser chamada de Gleisi Lula Hoffmann. Rival do antigo presidente muda identificação oficial para Sóstenes Lula Cavalcante. E assim sucessivamente.

João Almeida Moreira
Cartaz de apoio a Lula da Silva© Reuters

A ideia partiu do deputado Léo de Brito, aliás, Léo Lula de Brito. Eleito pelo PT pelo estado do Acre, o parlamentar decidiu juntar ao seu "nome de guerra" político, o do antigo presidente, preso no fim de semana, em sinal de homenagem e de protesto. Propôs a ideia em reunião parlamentar aos colegas de partido e de um momento para o outro já 22 deputados incluíam o nome "Lula" no meio. A iniciativa chegou ao Senado, a casa onde trabalha Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT, hoje conhecida por Gleisi Lula Hoffmann.

Os opositores a Lula não quiseram ficar atrás. Sóstenes Cavalcante, do DEM, agora será conhecido como Sóstenes Moro Cavalcante, aludindo ao juiz da Lava-Jato Sergio Moro, que condenou o antigo presidente. Anunciou a medida em plenário, enquanto cortava um pedaço de mortadela - "mortadela" é como são conhecidos os manifestantes de esquerda ligados ao PT, enquanto aos de direita chamam-lhes "coxinhas".

A reboque da ideia, o deputado Capitão Augusto, do PR, protocolou pedido de mudança de nome para Capitão Augusto Bolsonaro.

Todos os pedidos foram enviados formalmente a Eunício de Oliveira (MDB) e Rodrigo Maia (DEM), respetivamente presidentes do Senado e da Câmara dos Deputados.

Qualquer político eleito ou apenas candidato pode usar o nome que pretender no Brasil, o que suscita denominações curiosas. A exceção é para os candidatos à presidência da República, proibidos por lei de utilizarem petit noms. O próprio Lula, por exemplo, cujo nome de batismo é apenas Luiz Inácio da Silva, teve de juntar "Lula", diminutivo de Luiz, ao nome em cartório, para poder candidatar-se sob essa denominação. O mesmo se passou com Maria Osmarina da Silva, que passou a chamar-se Maria Osmarina Marina Silva para concorrer como Marina Silva, ou José Ribamar de Araújo Costa, que juntou Sarney, o nome próprio do pai, ao seu nome.

São Paulo