Coreia do Norte devolve aos EUA restos mortais de soldados

A transferência dos restos mortais de antigos combatentes norte-americanos é um dos primeiros resultados da cimeira entre os líderes dos Estados Unidos, Donald Trump, e da Coreia do Norte, Kim Jong-un, a 12 de junho passado, em Singapura.

Paulo Pena
 | foto Ahn Young-joon/Pool via Reuters
 | foto Ahn Young-joon/Pool via Reuters
 | foto Ahn Young-joon/Pool via Reuters
 | foto Ahn Young-joon/Pool via Reuters

A Coreia do Norte devolveu esta sexta-feira aos Estados Unidos 55 caixas com restos mortais de soldados norte-americanos que combateram na Guerra da Coreia (1950-1953), afirmou o comando da ONU na Coreia do Sul.

De acordo com o comando da ONU, está prevista a realização de uma cerimónia na próxima quarta-feira, na base aérea de Osan, na Coreia do Sul, em homenagem às vítimas.

Para os Estados Unidos, este é um passo significativo para o retomar das operações de recuperação dos restos mortais de milhares de soldados norte-americanos que morreram a combater na guerra da Coreia.

"Os restos mortais dos soldados norte-americanos vão deixar finalmente a Coreia do Norte e regressar aos Estados Unidos, depois de tantos anos. Será um grande momento para muitas famílias. Obrigado Kim Jong-un [líder norte-coreano]", escreveu Donald Trump, na conta oficial da rede social Twitter.

De acordo com imagens transmitidas em direto pela televisão sul-coreana, um avião militar dos Estados Unidos aterrou na base aérea de Osan, antes das 12:00 (04:00 em Lisboa), após ter recolhido, na Coreia do Norte, restos mortais de soldados norte-americanos que combateram na Guerra da Coreia.

Cerca de 7700 soldados norte-americanos foram dados como desaparecidos durante a Guerra da Coreia, e 5.300 restos mortais estariam ainda na Coreia do Norte.

Quatro milhões de pessoas morreram na sequência da Guerra da Coreia, incluindo 36 000 soldados norte-americanos.