Pelo menos sete mortos após sismo de magnitude 6,7 no Japão

Cerca de 40 pessoas estão desaparecidas

Patrícia Jesus
 | foto EPA/JIJI PRES
 | foto EPA/JIJI PRESS
 | foto Kyodo/via REUTERS
 | foto Kyodo/via REUTERS
 | foto EPA/JIJI PRESS
 | foto EPA/JIJI PRESS

A central nuclear de Tomari, em Hokkaido, recorreu a geradores de emergência para arrefecer o combustível depois daquela região ter sido atingida hoje por um forte terramoto, noticiou a televisão pública NHK. Pelo menos sete pessoas morreram na sequência do terramoto de magnitude 6,7 e 40 estão desaparecidas, segundo o último balanço das autoridades nipónicas.

Segundo a televisão pública NHK, pelo menos 200 pessoas sofreram ferimentos, os transportes públicos estão paralisados e as escolas encerradas em Hokkaido.

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, disse que 25 mil soldados e outros funcionários vão ser enviados para a região de forma a ajudarem nas operações de resgate.

O operador da central, a Hokkaido Electric Power Company, adiantou que todos os três canais de fontes de energia externas foram cortados cerca de 20 minutos após o terramoto.

Os três reatores da central estão todos desligados, com um total de 1.527 conjuntos de combustível armazenados, devido ao corte de energia que afeta Hokkaido.

Após o sismo, seis geradores movidos a diesel foram ligados automaticamente para resfriar o combustível nuclear. Não foram relatadas alterações nos níveis de água ou na temperatura da piscina de armazenamento.

A Autoridade de Regulamentação Nuclear e a Hokkaido Electric dizem que não é possível prever quando as fontes de energia externas serão restauradas, segundo a NHK.

Os geradores de emergência poderão manter a fábrica da Tomari a funcionar durante pelo menos sete dias, através do fornecimento de combustível diesel armazenado nas suas instalações.

Ambas as entidades acrescentaram que o terramoto não parece causar nenhuma irregularidade nas principais instalações da central e que os postos de monitorização de radiação não registaram alterações.

O terramoto ocorreu a 62 quilómetros a sudeste da capital regional, Sapporo, a 40 quilómetros de profundidade, apenas dois dias depois de um tufão ter devastado a região oeste de Osaka. Uma réplica de magnitude 5,3 foi registada alguns momentos depois em Hokkaido.