Casa Branca rejeita plano para fechar Guantánamo por ser demasiado dispendioso

Plano foi devolvido ao Pentágono para ser revisto. Proposta apresentada pela Defesa ascendia aos 566 milhões de euros

Lusa
© REUTERS/BOB STRONG

O Governo dos Estados Unidos rejeitou um plano, elaborado pelo Departamento de Defesa, para encerrar a prisão de Guantánamo por o considerar demasiado dispendioso, devolvendo-o ao Pentágono para que seja revisto, avança o The Wall Street Journal.

De acordo com o jornal, a proposta apresentada pela Defesa ascendia aos 566 milhões de euros, um valor considerado excessivo pela Administração dirigida por Barack Obama.

Deste total para fechar a prisão, 330 milhões seriam destinados à construção de um novo estabelecimento penal em território norte-americano para onde seriam transportados os reclusos considerados de maior risco, segundo disseram ao jornal altos funcionários da Defesa.

A rejeição do plano apresentado pelo Pentágono representa um novo obstáculo a uma das prioridades estabelecidas por Obama até ao fim do seu mandato, já que o Presidente prometeu fechar Guantánamo na sua primeira campanha eleitoral, em 2008.

No entanto, Obama foi confrontado, desde o início, com a oposição do Congresso, especialmente entre os republicanos, que recusam a transferência dos reclusos para prisões nos Estados Unidos.

O custo anual de operar Guantánamo, onde permanecem 107 presos, é de 337 milhões de euros, enquanto o da nova prisão proposta pelo Pentágono em solo norte-americano seria de 283 milhões (a que se junta o custo inicial de 330 milhões para a construção).