Burlou avô em 45 mil euros e fez-lhe crer que tinha um tumor cerebral

Neta controlava todas as contas bancárias do avô e até a medicação, que lhe dava em doses diferentes das que tinham sido prescritas

Bárbara Cruz
Imagem de arquivo© GLOBAL IMAGENS

O Ministério Público do Principado das Astúrias pediu esta segunda-feira um ano e nove meses de prisão para uma mulher acusada de burlar o próprio avô. A arguida fez o idoso acreditar que sofria de um tumor cerebral e convenceu-o a dar-lhe 45 mil euros para um tratamento que lhe permitiria curar-se.

De acordo com o procurador, citado pelo El País, a neta controlava todas as contas bancárias do avô e inclusivamente a medicação que o idoso tomava, dando orientações à cuidadora que contratara para que o avô tomasse os medicamentos que ela julgava necessários, em doses diferentes das que tinham sido prescritas pelo médico.

O homem faleceu entretanto, com 94 anos, tendo tomado no dia em que morreu uma combinação de benzodiazepinas com barbitúricos. As substâncias, que têm efeito sedativo, provocaram efeitos secundários nas vias respiratórias do idoso, que acabou por morrer, ainda que não lhe tivessem diretamente provocado a morte.

Em 2014, o homem começara com sintomas de depressão devido à morte da mulher. Logo em fevereiro desse ano, sofreu uma queda e a neta aproveitou para o mudar de localidade, para junto dela, tendo-o privado dos contactos com outros familiares. E ainda que o homem muitas vezes se negasse a tomar a medicação, a acusada terá chegado a prendê-lo com um lençol e com os braços para o obrigar a tomar os comprimidos.