Bruxelas responde a Salvini: "Aprovámos em abril plano de 8,5 mil milhões para infraestruturas" em Itália

Christian Spahr, porta-voz da Comissão Europeia, respondeu esta quinta-feira às acusações feitas pelo vice-primeiro-ministro italiano e líder do partido Liga na sequência do colapso da ponte Morandi em Génova

Patrícia Viegas
Vice-primeiro-ministro e ministro do Interior italiano Matteo Salvini fotografado durante a sua visita a Génova© REUTERS/Stefano Rellandini

"Acreditamos que chegou o momento de deixar algumas coisas claras", começou por dizer Christian Spahr, porta-voz da Comissão Europeia, na conferência de imprensa diária, em Bruxelas, esta quinta-feira.

No período de 2014-2010, Itália tem "2,5 mil milhões de euros de fundos Estruturais e de Coesão para investir na sua rede de infraestruturas, como sejam estradas ou vias ferroviárias", declarou o porta-voz, sublinhando que Bruxelas aprovou em abril um plano de investimento italiano na ordem dos 8,5 mil milhões, destinado a infraestruturas, "incluindo em Génova".

O esclarecimento surgiu depois de o vice-primeiro-ministro, ministro do Interior e líder da Liga, Matteo Salvini, ter apontado o dedo à UE na sequência do colapso de uma parte da ponte Morandi, em Génova, na terça-feira. A tragédia fez 39 mortos, três dos quais são crianças.

"Se não houvesse constrangimentos externos que nos impedem de gastar mais em estradas seguras, escolas... então realmente devemos questionar se vale a pena seguir estas regras. Não pode haver negociação que ligue regras fiscais à segurança dos italianos", afirmou Salvini, cujo governo quer excluir certos investimentos dos cálculos do défice.

"À luz das regras orçamentais acordadas, os países têm liberdade para fixar políticas prioritárias específicas. Por exemplo, desenvolvimento e manutenção das infraestruturas. De facto, a UE incentivou Itália a investir nas infraestruturas", esclareceu esta quinta-feira Christian Spahr.

Numa altura em que o ministro das Infraestruturas e Transportes, Danilo Toninelli, do Movimento 5 Estrelas, exigiu a demissão dos responsáveis da concessionária Autostrade per l'Italia, o porta-voz da Comissão afirmou: "No que toca à responsabilidade sobre segurança da infraestrutura, neste caso gerida por um operador privado, a concessionária é responsável pela segurança da estrada".

Liga e 5 Estrelas estão no governo de Itália desde junho. Em 2013, o 5 Estrelas de Génova classificara a possibilidade de um colapso da ponte Morandi como uma fábula. Inaugurada em 1967, o viaduto sempre suscitou críticas.