MNE britânico adverte para "enorme erro" de saída sem acordo

Jeremy Hunt mostra-se preocupado com caminho "para um não-acordo por acidente" no Brexit

Ana Bela Ferreira
Ministro dos negócios estrangeiros britânico, Jeremy Hunt © David Cheskin/Pool via Reuters

O chefe da diplomacia britânica, Jeremy Hunt, advertiu hoje em Viena que o tempo para um acordo sobre o 'Brexit' está a esgotar-se e pediu uma "solução pragmática" que evite as "graves consequências" de uma saída sem acordo.

"Estamos muito preocupados porque, tal como as coisas estão, caminhamos para um não-acordo por acidente", disse Hunt à imprensa em Viena, que preside à União Europeia neste semestre, após um encontro com a homóloga austríaca, Karin Kneissl.

"Há um risco real de um divórcio complicado, o que seria um enorme erro geoestratégico", prosseguiu Hunt, apelando à amizade, laços históricos e valores partilhados entre o Reino Unido e os parceiros europeus para alcançar uma solução.

"Não façamos deste um daqueles momentos da histórica da Europa apontados como um enorme erro e de que se fale 20 ou 30 anos depois, procuremos uma solução pragmática que nos permita uma amizade especial"

A ministra dos Negócios Estrangeiros austríaca sublinhou por seu lado que a negociação da saída do Reino Unido da UE é da competência exclusiva da Comissão Europeia, numa aparente alusão a declarações de Hunt apelando à Alemanha e França que propiciem um "acordo sensato".

Kneissl sublinhou também que, independente de algumas diferenças entre os países da UE em assuntos específicos, a posição comum sobre o 'Brexit' é sólida.

O Reino Unido deve sair da UE a 29 de março de 2019 e um acordo deveria estar pronto até ao outono, mas divergências persistentes põem essa data em dúvida.

Jeremy Hunt disse hoje em Viena que "o tempo é muito, muito curto" e que um adiamento da data limite é "altamente improvável".