Ameaça de bomba em cidade que cancelou comício de ministro turco

Edifício da câmara municipal de Gaggenau foi evacuado esta manhã

DN e agências
Detenção de jornalista turco-alemão na Turquia está a gerar tensão entre a chanceler Angela Merkel e o presidente Recep Erdogan© REUTERS/Umit Bektas

As autoridades da cidade alemã de Gaggenau, que cancelaram quinta-feira um comício com a presença de um ministro turco, evacuaram esta sexta-feira o edifício da autarquia local devido a uma ameaça de bomba.

O presidente da câmara, Michael Pfeiffer, admitiu à imprensa haver ligação entre a decisão de proibir o comício com o ministro turco da Justiça e a ameaça recebida: "Presumimos que há uma ligação direta."

As relações entre a Alemanha e a Turquia agudizaram-se nos últimos dias, após a decisão da justiça turca de deter o correspondente do jornal alemão Die Welt, Deniz Yucel (com dupla nacionalidade turca e germânica).

Deniz Yucel foi detido após divulgar informações negativas para o presidente turco Recep Tayyip Erdogan, sob a alegação de fazer propaganda a organizações terroristas e incitar à violência.

O regime turco prendeu dezenas de jornalistas e encerrou muitos órgãos de comunicação após a tentativa de golpe de estado de julho passado que as autoridades atribuíram a um clérigo residente nos EUA.

A Turquia acusou esta manhã a Alemanha de interferir na campanha do referendo marcado para abril, em que participam os turcos emigrados em território alemão, alegando que Berlim apoia o "voto contra" o fortalecimento dos poderes presidenciais de Erdogan.

"Eles não querem que a Turquia faça campanha [na Alemanha]. Eles estão a trabalhar pelo "Não". Querem impedir a existência de uma Turquia forte", acusou o ministro dos Negócios Estrangeiros, Mevlut Cavusoglu.

Cavusoglu acusou ainda a Alemanha de "dar sermões sobre a democracia" e depois agir de forma contraditória, limitando a liberdade de expressão e reunião. "Se querem manter as relações, têm de aprender a comportar-se perante nós", continuou o ministro segundo o Deutsche Welle. "Nós vamos responder sem hesitação", acrescentou, não esclarecendo que medidas Ancara vai tomar no futuro.