A primeira prisão foi há 38 anos como sindicalista

No dia 19 de abril de 1980, a polícia do regime militar deteve Lula por 31 dias. Entrou na cadeia líder sindical, saiu político.

João Almeida Moreira
Foto de polícia quando Lula foi detido pela primeira vez, em 1980© Arquivo do Instituto Lula

Lula da Silva tinha 34 anos e Sergio Moro apenas sete quando o então presidente do sindicato dos metalúrgicos do ABC, região composta pelas cidades que compõem a sigla - Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul -, foi detido pelo DOPS, a polícia política ao serviço do regime militar que vigorava no Brasil naquele dia 19 de abril de 1980.

Em causa estavam as greves consecutivas promovidas por Lula desde o ano de 1978 e que alastraram para quase todos os estados do país. Em 1979, o sindicalista que chegaria à presidência da República 24 anos depois, paralisou as fábricas durante 15 dias; em 1980, durante 45. Foi nessa altura que o DOPS resolveu intervir, prendendo, processando e condenando Lula da Silva e outros sindicalistas no âmbito da lei de segurança nacional. Depois de 31 dias detido, o líder sindical foi solto mas sem permissão para continuar a presidir ao sindicato.

Essa medida acabou por estar na origem da criação do Partido dos Trabalhadores (PT) e da carreira política de Lula: em 1980, com sindicalistas, intelectuais e representantes dos movimentos sociais, fundou o partido, em 1982 concorreu ao cargo de governador do estado de São Paulo, em 1986 foi o deputado federal mais votado do país, concorreu à presidência da República em 1989, 1994 e 1998, perdendo para Collor de Mello (em 1989) e Fernando Henrique Cardoso (tanto em 1994 como em 1998), mas acabou eleito em 2002 e reeleito em 2006.