Amnistia Internacional exige justiça para ativista brasileira assassinada

Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes foram baleados mortalmente a 14 de março

A organização internacional de defesa dos direitos humanos, Amnistia Internacional (AI), classificou esta quata-feira como "inadmissível" que, depois de seis meses após o assassínio da vereadora brasileira Marielle Franco, não haja respostas nem se tenha resolvido o crime.

Na noite de 14 de março, a vereadora, ativista e defensora dos direitos humanos, Marielle Franco, e o motorista, Anderson Gomes, foram baleados mortalmente num bairro no centro do Rio de Janeiro depois da participação num evento político-cultural. Após seis meses do crime, as autoridades ainda não têm respostas sobre os autores e a motivação do assassínio.

O crime causou uma forte comoção nacional, porque Franco, de 38 anos, negra, lésbica, nascida num complexo de favelas violentas e militante de esquerda do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), se tinha caracterizado por denunciar abusos policiais nas favelas e pela defesa dos direitos humanos.

"O assassínio de Marielle e Anderson cumpre seis meses. A falta de uma solução para o caso é inadmissível. A impunidade não pode estar no horizonte das autoridades", disse o diretor da AI no Brasil, Jurema Werneck, em comunicado.

O assassínio da vereadora ocorreu um mês depois de o Governo brasileiro decretar intervenção federal na área de segurança do estado do Rio, que deixou o controlo da ordem pública nas mãos das Forças Armadas.

A ONG, que desde o primeiro dia pediu esclarecimentos sobre o crime, reiterou que é da responsabilidade do Estado brasileiro, das autoridades e organismos da justiça criminal "garantir" que o assassínio de Franco seja devidamente investigado e que os responsáveis sejam identificados e julgados.

No último mês, e por insistência de ONG, as autoridades anunciaram a participação de um painel em investigações, no entanto, a ONG pediu novamente "a constituição de um grupo totalmente independente do Estado que realize a monitorização das investigações e verifique se o devido processo legal está a ser seguido".

Apesar dos resultados das investigações serem mantidos em sigilo, informações divulgadas pela imprensa indicaram o envolvimento de milícias, como são conhecidos os grupos de vigilantes, e de um conselheiro do consistório carioca.

O crime também "terá contado com a participação de agentes do Estado e forças de segurança", um facto que foi reafirmado em agosto pelo ministro da Segurança Pública do Brasil, Raul Jungmann, que disse que o assassínio de Franco pode ter uma motivação política ao estarem implicados "agentes públicos" e "políticos".

Devido à demora no esclarecimento do caso, Jungmann também ofereceu o apoio das autoridades federais na investigação, mas a oferta foi rejeitada pelo comando de intervenção, que desde fevereiro se encarrega da segurança pública no Rio.

"Estamos diante de um cenário muito preocupante", disse Werneck.

O assassínio " muito provavelmente teve a participação de agentes do Estado. O crime, possivelmente, tem por detrás um grupo suficientemente poderoso para acreditar na garantia da impunidade, a ponto de cometer tal execução numa das cidades mais visíveis no mundo durante o período de intervenção federal na segurança pública e num ano eleitoral", acrescentou.

A ativista e socióloga de profissão foi a quinta mais votada nas eleições de 2016 para o Conselho do Rio de Janeiro e, segundo a AI, a sua morte tem mobilizado mais de 165.000 pessoas, que têm manifestado o seu apoio, não só no Brasil, mas também em outros países como Argentina, Bélgica, Canadá, Coreia do Sul, Irlanda, Itália, Japão, Peru, Portugal, Espanha e Suécia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.