Amnistia Internacional exige justiça para ativista brasileira assassinada

Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes foram baleados mortalmente a 14 de março

A organização internacional de defesa dos direitos humanos, Amnistia Internacional (AI), classificou esta quata-feira como "inadmissível" que, depois de seis meses após o assassínio da vereadora brasileira Marielle Franco, não haja respostas nem se tenha resolvido o crime.

Na noite de 14 de março, a vereadora, ativista e defensora dos direitos humanos, Marielle Franco, e o motorista, Anderson Gomes, foram baleados mortalmente num bairro no centro do Rio de Janeiro depois da participação num evento político-cultural. Após seis meses do crime, as autoridades ainda não têm respostas sobre os autores e a motivação do assassínio.

O crime causou uma forte comoção nacional, porque Franco, de 38 anos, negra, lésbica, nascida num complexo de favelas violentas e militante de esquerda do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), se tinha caracterizado por denunciar abusos policiais nas favelas e pela defesa dos direitos humanos.

"O assassínio de Marielle e Anderson cumpre seis meses. A falta de uma solução para o caso é inadmissível. A impunidade não pode estar no horizonte das autoridades", disse o diretor da AI no Brasil, Jurema Werneck, em comunicado.

O assassínio da vereadora ocorreu um mês depois de o Governo brasileiro decretar intervenção federal na área de segurança do estado do Rio, que deixou o controlo da ordem pública nas mãos das Forças Armadas.

A ONG, que desde o primeiro dia pediu esclarecimentos sobre o crime, reiterou que é da responsabilidade do Estado brasileiro, das autoridades e organismos da justiça criminal "garantir" que o assassínio de Franco seja devidamente investigado e que os responsáveis sejam identificados e julgados.

No último mês, e por insistência de ONG, as autoridades anunciaram a participação de um painel em investigações, no entanto, a ONG pediu novamente "a constituição de um grupo totalmente independente do Estado que realize a monitorização das investigações e verifique se o devido processo legal está a ser seguido".

Apesar dos resultados das investigações serem mantidos em sigilo, informações divulgadas pela imprensa indicaram o envolvimento de milícias, como são conhecidos os grupos de vigilantes, e de um conselheiro do consistório carioca.

O crime também "terá contado com a participação de agentes do Estado e forças de segurança", um facto que foi reafirmado em agosto pelo ministro da Segurança Pública do Brasil, Raul Jungmann, que disse que o assassínio de Franco pode ter uma motivação política ao estarem implicados "agentes públicos" e "políticos".

Devido à demora no esclarecimento do caso, Jungmann também ofereceu o apoio das autoridades federais na investigação, mas a oferta foi rejeitada pelo comando de intervenção, que desde fevereiro se encarrega da segurança pública no Rio.

"Estamos diante de um cenário muito preocupante", disse Werneck.

O assassínio " muito provavelmente teve a participação de agentes do Estado. O crime, possivelmente, tem por detrás um grupo suficientemente poderoso para acreditar na garantia da impunidade, a ponto de cometer tal execução numa das cidades mais visíveis no mundo durante o período de intervenção federal na segurança pública e num ano eleitoral", acrescentou.

A ativista e socióloga de profissão foi a quinta mais votada nas eleições de 2016 para o Conselho do Rio de Janeiro e, segundo a AI, a sua morte tem mobilizado mais de 165.000 pessoas, que têm manifestado o seu apoio, não só no Brasil, mas também em outros países como Argentina, Bélgica, Canadá, Coreia do Sul, Irlanda, Itália, Japão, Peru, Portugal, Espanha e Suécia.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."