Americanos destroem ténis da New Balance em protesto contra Trump

Responsável da marca defendeu que, com Trump, "as coisas vão avançar na direção certa"

Os norte-americanos estão a queimar e a colocar no lixo incontáveis pares de ténis da marca New Balance, numa forma de protesto depois de a marca de desporto ter apoiado publicamente o presidente eleito Donald Trump. Nas redes sociais, foram vários os utilizadores que publicaram vídeos a destruir os ténis e a incentivarem a um boicote à marca.

"A administração Obama fez-nos ouvidos de mercador e, francamente, com o presidente eleito Trump sentimos que as coisas vão avançar na direção certa". Foi esta a declaração de um dos responsáveis de relações públicas da empresa, Matt LeBretton, que provocou a revolta dos norte-americanos.

A citação foi publicada no Twitter pela jornalista do Wall Street Journal, Sara Germano.

Como resposta a estas declarações, muitos norte-americanos decidiram destruir o produto da empresa de forma pública e ostensiva. Alguns queimaram os ténis, outros atiraram-nos pela janela, outros meteram-nos no lixo ou até na sanita.

A empresa tentou depois explicar as declarações anteriores e disse que Matt LeBretton estava a referir-se à Parceria Trans-Pacífico (TPP, na sigla em inglês), defendida por Barack Obama e que falta aprovar. Segundo a New Balance, este acordo prejudica as empresas que dependem da mão-de-obra americana e beneficia aquelas cujos produtos são feitos em fábricas fora do país.

"Como a única grande empresa que ainda produz calçado desportivo nos Estados Unidos, a New Balance tem uma perspetiva única no acordo. Nós queremos produzir mais calçado nos Estados Unidos, não menos", dizia o comunicado da empresa desta quinta-feira, citado pelo Wall Street Journal.

Trump tem assumido uma posição contrária ao TPP e pode abster-se de o aprovar.

Para combater a onda de revolta, a New Balance publicou na quinta-feira um comunicado nas redes sociais garantindo que sempre agiu com a máxima integridade e que luta para servir melhor as comunidades de todo o mundo.

Exclusivos