NATO. Ameaças de Trump lançam pânico, mas aliados garantem que compromisso saiu reforçado

Trump lançou ataque duro, mas diz que aliados vão pagar e que compromisso com a NATO saiu reforçado

As exigências do presidente norte-americano para que os aliados da NATO aumentem a despesa com a Defesa motivaram uma sessão de emergência. Mas a crise parece ter sido ultrapassada, a acreditar nas palavras de Donald Trump em conferência de imprensa. "A NATO está muito mais forte do que há dois dias", concluiu.

A crise surgiu na sequência de palavras duras de Trump na sessão desta manhã, num ataque que lançou o pânico entre os líderes mundiais: se não aumentarem imediatamente os gastos com Defesa, os Estados Unidos vão "fazer as coisas da sua forma", disse o líder norte-americano, citado por fontes do Washington Post.

Líderes de países convidados como o Afeganistão e a Geórgia foram mesmo convidados a sair para que a reunião pudesse continuar apenas com os membros da aliança e a determinada altura, quebrando o protocolo, Trump dirigiu-se mesmo diretamente a Merkel e disse "Angela, tens de fazer qualquer coisa sobre isto."

Há mesmo relatos que dizem que Trump ameaçou tirar o país da organização, mas várias fontes disseram à Reuters que não houve essa ameaça clara.

Em conferência de imprensa, logo em seguida, todo o ambiente de crise pareceu ultrapassado. Trump disse que os aliados vão pagar e que o compromisso com a NATO saiu reforçado. "Ontem disse-lhes que estava muito infeliz e hoje concordaram em aumentar a despesa para níveis que nunca pensaram" - mais 33 mil milhões de dólares, segundo o presidente dos EUA. "Acredito na NATO", concluiu.

Merkel também disse que há um "claro compromisso" com a NATO, por parte de todos, admitindo que a Alemanha tem de fazer mais. "Tivemos uma cimeira muito intensa", reconheceu, citada pela Reuters, caracterizando do debate como "fundamental".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...