NATO. Ameaças de Trump lançam pânico, mas aliados garantem que compromisso saiu reforçado

Trump lançou ataque duro, mas diz que aliados vão pagar e que compromisso com a NATO saiu reforçado

As exigências do presidente norte-americano para que os aliados da NATO aumentem a despesa com a Defesa motivaram uma sessão de emergência. Mas a crise parece ter sido ultrapassada, a acreditar nas palavras de Donald Trump em conferência de imprensa. "A NATO está muito mais forte do que há dois dias", concluiu.

A crise surgiu na sequência de palavras duras de Trump na sessão desta manhã, num ataque que lançou o pânico entre os líderes mundiais: se não aumentarem imediatamente os gastos com Defesa, os Estados Unidos vão "fazer as coisas da sua forma", disse o líder norte-americano, citado por fontes do Washington Post.

Líderes de países convidados como o Afeganistão e a Geórgia foram mesmo convidados a sair para que a reunião pudesse continuar apenas com os membros da aliança e a determinada altura, quebrando o protocolo, Trump dirigiu-se mesmo diretamente a Merkel e disse "Angela, tens de fazer qualquer coisa sobre isto."

Há mesmo relatos que dizem que Trump ameaçou tirar o país da organização, mas várias fontes disseram à Reuters que não houve essa ameaça clara.

Em conferência de imprensa, logo em seguida, todo o ambiente de crise pareceu ultrapassado. Trump disse que os aliados vão pagar e que o compromisso com a NATO saiu reforçado. "Ontem disse-lhes que estava muito infeliz e hoje concordaram em aumentar a despesa para níveis que nunca pensaram" - mais 33 mil milhões de dólares, segundo o presidente dos EUA. "Acredito na NATO", concluiu.

Merkel também disse que há um "claro compromisso" com a NATO, por parte de todos, admitindo que a Alemanha tem de fazer mais. "Tivemos uma cimeira muito intensa", reconheceu, citada pela Reuters, caracterizando do debate como "fundamental".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.