NATO. Ameaças de Trump lançam pânico, mas aliados garantem que compromisso saiu reforçado

Trump lançou ataque duro, mas diz que aliados vão pagar e que compromisso com a NATO saiu reforçado

As exigências do presidente norte-americano para que os aliados da NATO aumentem a despesa com a Defesa motivaram uma sessão de emergência. Mas a crise parece ter sido ultrapassada, a acreditar nas palavras de Donald Trump em conferência de imprensa. "A NATO está muito mais forte do que há dois dias", concluiu.

A crise surgiu na sequência de palavras duras de Trump na sessão desta manhã, num ataque que lançou o pânico entre os líderes mundiais: se não aumentarem imediatamente os gastos com Defesa, os Estados Unidos vão "fazer as coisas da sua forma", disse o líder norte-americano, citado por fontes do Washington Post.

Líderes de países convidados como o Afeganistão e a Geórgia foram mesmo convidados a sair para que a reunião pudesse continuar apenas com os membros da aliança e a determinada altura, quebrando o protocolo, Trump dirigiu-se mesmo diretamente a Merkel e disse "Angela, tens de fazer qualquer coisa sobre isto."

Há mesmo relatos que dizem que Trump ameaçou tirar o país da organização, mas várias fontes disseram à Reuters que não houve essa ameaça clara.

Em conferência de imprensa, logo em seguida, todo o ambiente de crise pareceu ultrapassado. Trump disse que os aliados vão pagar e que o compromisso com a NATO saiu reforçado. "Ontem disse-lhes que estava muito infeliz e hoje concordaram em aumentar a despesa para níveis que nunca pensaram" - mais 33 mil milhões de dólares, segundo o presidente dos EUA. "Acredito na NATO", concluiu.

Merkel também disse que há um "claro compromisso" com a NATO, por parte de todos, admitindo que a Alemanha tem de fazer mais. "Tivemos uma cimeira muito intensa", reconheceu, citada pela Reuters, caracterizando do debate como "fundamental".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.