Mais de 100 ameaças de bomba levam à retirada de 50 mil pessoas em Moscovo

Ameaças estão a ser feitas através de chamadas anónimas

Mais de 50 mil pessoas foram obrigadas a abandonar dezenas de edifícios, incluindo centros comerciais, estações de comboios e universidades, esta quarta-feira, em Moscovo, devido a múltiplas ameaças de bomba. Segundo a agência russa Tass, as autoridades de Moscovo receberam mais de 100 ameaças de bomba por telefone nas últimas horas.

A Reuters, que cita a agência Ria Novosti, afirma que as ameaças de bomba não referiam apenas Moscovo, mas também outras cidades russas. No total, foram ameaças mais de 20 cidades.

As forças de segurança estão a fazer buscas nos locais afetados e a usar cães polícia para procurarem eventuais engenhos explosivos. Até ao momento, não foi detetada qualquer bomba.

Um responsável pelos serviços de emergência russos afirmou à Tass que as ameaças foram feitas por telefone quase ao mesmo tempo e que as autoridades ainda estão a receber este tipo de chamadas. Esta quarta-feira, os serviços de emergência de Moscovo receberam mais de 100 telefonemas com ameaças de bomba.

"Parece terrorismo por telefone e nada mais, mas todas as chamadas têm de ser investigadas", continuou o responsável.

As estações de comboio de Leningradsky, Kazansky e Kievsky e a Universidade de Medicina Sechenov e a Universidade de Relações Internacionais MGIMO foram evacuadas, assim como os maiores centros comerciais de Moscovo, incluindo a célebre galeria comercial Goum, na Praça Vermelha. Foram ainda evacuados três hotéis.

Nas redes sociais começam a ser partilhadas imagens e vídeos das ruas da cidade.

Segundo a RT, não é a primeira vez que ameaças de bomba obrigam a grandes evacuações na Rússia nos últimos dias. Só na terça-feira, 22 locais na Rússia foram evacuados devido a falsas ameaças de bomba que levaram à retirada de 45 mil pessoas.

As chamadas anónimas começaram na segunda-feira, na zona ocidental da Rússia, e espalharam-se na terça-feira a cidades de todo o país, afirma a Lusa. A Bloomberg explica que as chamadas têm sido feitas através de internet, o que torna muito difícil localizá-las.

As autoridades russas não comentaram publicamente até ao momento a série de falsos alertas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Tempo de fugir de casa para regressar à terra

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.