Ameaça terrorista no aeroporto de Roterdão

Agentes fortemente armados foram colocados à entrada do estacionamento do aeroporto

A segurança foi reforçada esta quinta-feira no aeroporto de Roterdão-Haia após a polícia ter recebido "uma mensagem anónima que indica uma possível ameaça contra o aeroporto", indicaram as autoridades policiais holandesas.

"A polícia militar e a polícia iniciaram uma investigação após este alerta" e "tomaram um certo número de medidas de segurança adicionais visíveis e invisíveis", indicaram num comunicado comum.

Agentes da polícia militar, fortemente armados, com coletes à prova de bala e capacete, controlam os autocarros e veículos e foram colocados diante do átrio das partidas, assim como à entrada do estacionamento do aeroporto, situado a seis quilómetros a norte de Roterdão, segundo imagens divulgadas pela televisão pública holandesa NOS.

O prefeito de Roterdão, o procurador e o chefe da polícia estão a trabalhar em conjunto relativamente às medidas de segurança adicionais e colaboram estreitamente com a polícia militar, adianta o comunicado.

A Holanda está em estado de alerta desde os atentados de Paris em novembro de 2015 e os serviços de luta contra o terrorismo holandeses (NCTV) afirmaram na segunda-feira que a ameaça terrorista poderia aumentar se a derrota do grupo extremista Estado Islâmico na Síria e no Iraque levasse muitos combatentes a regressarem ao país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.