Ameaça real ou fictícia: Putin fala em "histeria anti-Rússia"

Sem provas. Moscovo surge como principal suspeito quando algo corre mal no Ocidente: como o ataque informático de sexta-feira. Navios russos vão a caminho da Síria.

Ao mesmo tempo que a frota russa liderada pelo porta-aviões Almirante Kuznetsov cruzava o Canal da Mancha a caminho da Síria, com alguns tabloides britânicos a falar numa "invasão", do outro lado do Atlântico decorria um ataque cibernético que afetava sites como Twitter, eBay ou Spotify e a Internet perguntava, sem qualquer prova: "Está a Rússia por detrás deste ataque?"A histeria anti-Rússia no Ocidente, que o presidente Vladimir Putin já denunciou, parece estar para ficar. E Moscovo pode ser o principal beneficiário.

"De há algum tempo para cá que se criou esta histeria, acompanhada de ameaças veladas e abertas de parte a parte", diz ao DN José Milhazes, historiador e jornalista que viveu durante quatro décadas em Moscovo. "Esta não é a primeira vez que os russos enviam a frota do norte para o sul. É uma demonstração de força por parte de Moscovo, tal como qualquer coisa que a NATO faça, nem que seja aterrar um caça num aeroporto próximo do território russo, também o é", resumiu.

Os dez navios russos serão vigiados por uma fragata da Marinha portuguesa e por um avião P-3 durante a passagem ao largo de Portugal - segundo informação do Ministério da Defesa, pelas 19.00 de ontem encontravam-se ao largo de Brest (França), devendo entrar na Zona Económica Exclusiva portuguesa às 15.00 de hoje (caso tenham mantido a mesma velocidade de navegação).

Segundo Peter Apps, analista de política internacional da Reuters, com este destacamento de navios para a Síria "Moscovo quer claramente mostrar que pode imitar Washington, num exercício que poderá mostrar a renovada capacidade militar da Rússia". Na sua opinião, isto é também "uma oportunidade para lembrar a uma série de países da Europa que Moscovo não pode ser ignorado".

Mas Milhazes não concorda: "A ida do porta-aviões para o Mediterrâneo não vai desequilibrar a correlação de forças na região, porque não me parece que a Rússia vá fazer uma operação no terreno na Síria." Quanto muito, "Moscovo pode querer irritar a União Europeia e a NATO", com o jornalista e historiador a não descartar a hipótese de os navios atracarem na Turquia "agora que Putin se está a dar tão bem com [o presidente turco Recep Tayyip] Erdogan".

Sobre o tema, um artigo na revista The Economist, resumia a questão de forma simples: "Se os russos quisessem mais aviões para bombardear a cidade [Aleppo] ainda mais intensamente, podiam ter simplesmente voado para lá muito mais rapidamente." E concluía: "Do ponto de vista de Putin, a melhor coisa sobre é a atenção que está a ter dos inimigos da Rússia e as excelentes imagens televisivas que isso garante para as audiências russas."

Ataque informático

Mas se a ida dos navios a caminho da Síria é difícil de passar despercebida, mais difícil é provar a responsabilidade de Moscovo nos ataques informáticos de sexta-feira - no qual os servidores de várias empresas foram abaixo por causa de um bombardeamento de pedidos de utilização. O alvo foi a sociedade Dyn, que redirige os fluxos de internet entre os browsers dos utilizadores e os sites que pretendem aceder. O grupo New World Hackers reivindicou o ataque no Twitter.

"A Rússia tem sido acusada de todos os pecados mortais", disse Putin num evento há dez dias, falando na existência de uma "histeria anti-Rússia" nos meios de comunicação ocidentais. Todas as atenções viraram-se de imediato para a Moscovo depois de último ataque, porque os russos terão estado por detrás dos ataques contra alvos do Partido Democrático, com os EUA a acusarem formalmente a Rússia de querer interferir com as eleições presidenciais norte-americanas. As teorias da conspiração dizem que os EUA poderiam estar por detrás deste último ataque, de forma a acusar novamente a Rússia.

Segundo Milhazes, uma das razões para a retórica bélica crescente são precisamente as eleições norte-americanas (além de, a nível interno, permitir mobilizar a sociedade quando a situação económica no país não é boa). "Putin quer criar a sua ordem de trabalhos para começar a conversar com o próximo presidente", explicou, lembrando outras ações de Moscovo nos últimos tempos, como por exemplo a suspensão do acordo com Washington sobre o plutónio.

Do ponto de vista de Putin, a vitória do republicano Donald Trump seria o melhor resultado, já que ele disse que pretende uma relação diferente com Moscovo. Mas "o tiro pode sair-lhe pela culatra, porque Trump é instável", refere Milhazes, lembrando contudo que a relação com Clinton "nunca foi boa".

A última polémica com os EUA prende-se com o facto de os russos terem visto negados os seus pedidos para observarem as eleições norte-americanas em três estados. Um responsável russo, citado pelo Russia Today, diz que os americanos veem os observadores "como uma ameaça". Para Milhazes, apesar de parecer algo estranho, "Moscovo pode estar a preparar-se para não reconhecer o resultado eleitoral", caso esteja seja desfavorável a Trump, que já ameaçou contestar a eleição caso perca.

Em relação à Europa, a partir de onde se têm ouvido críticas crescentes a Moscovo, "há um completo desprezo por parte da Rússia". E a situação na Ucrânia não ajuda, onde é notória uma crescente "desunião europeia em relação às sanções", explica Milhazes, dando como exemplo as declarações do primeiro-ministro português. No Conselho Europeu, António Costa defendeu que "devemos passar mais para a fase da cooperação do que para a fase da sanção", apostando no diálogo com Moscovo. "Mas será que a Rússia quererá dialogar com Bruxelas? E em que condições", questiona Milhazes.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.