Amazon quer controlar funcionários com pulseira eletrónica

Governo italiano proibiu a empresa de localizar trabalhadores com o dispositivo

"A pulseira eletrónica é contra a lei", disse Teresa Maria Di Salvo, vice-presidente do Partido Democrata, líder do Governo italiano, e candidata à Câmara dos Deputados, nas próximas eleições gerais de 4 de março.

Segundo o jornal El Mundo, a Amazon queria que os trabalhadores usassem uma pulseira eletrónica que registasse os movimentos e a localização dos empregados, mas a Itália recordou à empresa norte-americana que essa possibilidade é contra a lei.

O Ministro de Desenvolvimento Económico, Carlo Calenda, revelou também ter-se reunido com membros da empresa, em Roma, aos quais explicou "que as únicas pulseiras feitas em Itália são as de joalharia. (...) Essa não é uma prática em Itália e nunca será ", revelaram os meios de comunicação social italianos.

As declarações foram feitas após a Amazon patentear uma pulseira que regista o movimento de seus funcionários nas instalações e que indica onde estes estão em tempo real "com o objetivo de os ajudar nas suas tarefas diárias".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.