Amazon está a despedir centenas de funcionários

A maioria dos despedimentos está a afetar sobretudo a sede da empresa, em Seattle, no estado de Washington, mas tem reflexos globais

A Amazon está a despedir centenas de funcionários, sobretudo em Seattle, onde se situa a sede da multinacional. A notícia é avançada pela estação televisiva norte-americana CNN.

O processo de notificação de funcionários já começou e está a afetar vários departamentos da Amazon, como o das operações de vendas online.

Entretanto, a companhia já confirmou os despedimentos, através de uma declaração enviada à estação televisiva. "Como parte do nosso processo de planeamento anual, estamos a fazer ajustes de pessoal em toda a empresa - pequenas reduções em alguns lugares e contratação agressiva em muitos outros. Para os funcionários afetados, estamos a trabalhar para encontrar postos de trabalho nas áreas para as quais estamos a contratar", diz o documento.

Aparentemente, a empresa não está a procurar reduzir o número total de funcionários, que rondam os cerca de 3900 na sede, em Seattle (estado de Washington), e 12 mil em todo o mundo. A Amazon comunicou que gerou 130 mil empregos no ano passado, num número que ainda não inclui a aquisição da Whole Foods por 13,7 mil milhões de dólares (cerca de 11,2 mil milhões de euros).

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.