Amazon continua a vender produtos racistas e nazis, diz relatório

Investigadores alertam a plataforma para a necessidade de tomar medidas que vão contra a disseminação de ideologias violentas

Soldados nazis, bodys com uma cruz em chamas, pendentes com a cruz suástica, mochilas com desenhos supremacistas. Estes são alguns dos produtos à venda no site Amazon, que fazem parte de um relatório de duas organizações que lutam pela inclusão social. Apesar dos protestos anteriores sobre o mesmo tema, a publicação diz que a plataforma continua a vender produtos racistas, nazis e supremacistas.

O relatório, intitulado "Entregado ódio: Como as plataformas da Amazon são usadas para distribuir supremacia branca, anti-semitismo e islamofobia", foi elaborado por investigadores do US Action Centre on Race & the Economy e do Partnership for Working Families. Estes consideram que, ao divulgar imagens extremistas, a Amazon está a celebrar ideologias que promovem o ódio e a violência.

Em causa estão peças de roupa, acessórios, malas, livros, bandeiras. Muitos dos produtos dirigidos a crianças.

Embora a Amazon diga que não aceita itens que promovam ódio, violência ou discriminação sexual, racial ou religiosa, esta não é a primeira vez que produtos semelhantes são encontrados à venda na plataforma.

"Num momento em que os grupos de ódio e a violência racista estão em ascensão, o fracasso da Amazon em efetivamente impedir organizações de ódio do uso das suas plataformas para disseminar ideologias violentas é uma escolha perigosa ", lê-se nas conclusões do relatório.

Na opinião dos autores, a Amazon deve tomar uma posição pública contra os referidos movimentos e deixar de lucrar com o ódio e a violência. Sugerem, por isso, que existam mecanismos de fiscalização transparentes.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...