Amazon apaga centenas de críticas negativas ao livro de Hillary Clinton

Livro recebeu mais de 1600 críticas numa noite, poucas horas depois de ser posto à venda na Amazon

Poucas horas após ser posto à venda, o livro de Hillary Clinton sobre as eleições presidenciais de 2016 recebeu centenas de críticas no site da Amazon. Mas grande parte destas críticas foram apagadas do site que vende o livro What Happened por 17,99 dólares, cerca de 15 euros.

O livro de 512 páginas foi lançado na terça-feira e às 11 da manhã do dia seguinte acumulava 1669 críticas, segundo a Quartz. As opiniões sobre a obra dividiam-se em dois polos distintos: 50% dos leitores dava 1 estrela ao livro, a classificação mais baixa, e 45% dava cinco estrelas, a avaliação máxima que um produto pode receber no site da Amazon. Na quarta-feira à tarde, mais de 900 críticas tinham sido apagadas.

"Parece altamente improvável que aproximadamente 1500 pessoas tenham lido o livro da Hillary Clinton numa noite e tenham achado que ou é brilhante ou é horrível", afirmou Jonathan Karp, da Simon & Schuster, editora do livro, segundo a AP.

Uma análise mais aprofundada da Quartz, ajudou a perceber que dos mais de 1600 clientes que tinham avaliado o livro, apenas 338 eram compradores certificados, ou seja, tinham de facto comprado a obra no site da Amazon.

Claro, há a hipótese de alguns leitores terem comprado o livro noutra loja e terem decidido exprimir as suas opiniões no site do gigante das vendas online. Ainda assim, o número de críticas e as avaliações dos leitores são insólitos quando comparados com outros livros vendidos pela Amazon.

Olhando para os 10 livros mais vendidos pela Amazon este ano, vê-se que, em média, 80,6% das críticas no site vêm de pessoas que compraram o livro nesta mesma loja. No caso do livro de Hillary Clinton, apenas 22% das pessoas que avaliaram a obra compraram What Happened na Amazon.

Tendo em conta apenas a opinião dos 338 compradores certificados, a obra de Clinton está avaliada em 4.9 estrelas. Se juntarmos a opinião dos outros leitores, a avaliação desce para 3.2. Os leitores que não compraram o livro na Amazon dão à obra uma avaliação de 2.3 estrelas.

"É óbvio que pessoas que não compraram o livro estão a dar-lhe uma nota muito baixa", disse Tommy Noonan, dono do site ReviewMeta, que ajudou a Quartz a medir as avaliações dos críticos.

"Se isto tivesse acontecido por acaso, a probabilidade de ver uma discrepância [de avaliações] como esta seria de uma em um bilhão", continuou Noonan, acrescentando que livros sobre política são frequentemente julgados pela opinião dos leitores sobre o político, e não sobre o que está escrito.

Esta quinta-feira, o livro tinha cinco estrelas no site, já que 95% dos 598 comentários no site lhe davam cinco estrelas.

A Amazon não confirmou que apagou as críticas, mas um porta-voz disse que a empresa possui "mecanismos para garantir que as vozes de muitos não afogam as vozes de poucos" e que "exclui críticas que violam as normas", segundo a Quartz.

Os estatutos da Amazon explicam que "quando um produto tem um grande número de críticas em pouco tempo", a empresa reserva-se o direito de restringir críticas que não sejam de compradores certificados.

No livro, Hillary Clinton apresenta a sua versão dos acontecimentos nas eleições presidenciais, assume a sua responsabilidade na derrota frente a Trump, mas rejeita absolver intervenientes como o FBI, a Rússia e os media. Na obra, Clinton não mede as palavras sobre o sucessor de Barack Obama na Casa Branca: um "mentiroso", "sexista", indigno e incompetente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.