Alexis Tsipras visita cidade de Mati, uma semana depois dos incêndios

O primeiro-ministro grego vai pela primeira vez à área afetada pelos incêndios que mataram 91 pessoas

Alexis Tspiras visita esta segunda-feira a aldeia costeira de Mati, a mais afetada pelos incêndios da semana passada na Grécia. Esta é a primeira visita do primeiro-ministro grego à área onde morreram 91 pessoas.

Os incêndios começaram na segunda-feira passada nesta aldeia costeira, a 30 quilómetros de Atenas. Neste momento, ainda há 25 pessoas desaparecidas e 28 corpos por identificar, segundo os dados dos bombeiros.

Alexis Tsipras assumiu a responsabilidade política pelo desastre e prometeu uma série de alterações, incluindo a limitação da construção ilegal e aleatória, que terá sido uma das agravantes no alastrar do incêndio.

No entanto, a oposição tem criticado o chefe de governo grego pela forma como tem lidado com esta crise e não ter ainda parecido em público junto das vítimas. Depois de três dias sem aparecer em público, Alexis Tsipras esteve na sexta-feira, à noite, numa visita de menos de uma hora aos bombeiros, soldados e residentes locais.

Foi anunciada uma concentração junto ao parlamento grego, onde se vão acender velas em memória das vítimas, esta segunda-feira à noite.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".